Carta Aberta ao Estadão

Padrão

Eu gostaria parabenizar vocês pela reportagem de Tânia Monteiro hoje [5 Jan. 2007, Metrópole, p. 1], “Exército não vai policiar ruas do Rio.”

Eu li tantas manchetes dizendo exatamente o contrario nos últimos dias, mas quando li os documentos do Ministério de Justiça, apareceu que essa medida não teria nada a ver com a força, sob o controle, a fiscalização e a responsibilidade puramente civil da Justiça, que o goberno planejara para situações desse tipo.

É agora?

Nessa reportagem sua, ficou claro que houve uma proposta para mudar o plano original, mas que as Forças Armadas e os outros figurões naquela reunião não toparam.

Isso quer dizer que o plano vai proceder sem mudanças. Não é? Simples.

Tânia relatou o quem, o o quê, o quando, o onde, o por quê, e o como com admirável precisão e profissionalismo.

Que merda que eu tive que aguardar quatro dias para achar um jornal que queria me informar e não me sacanear.

Sou norteamericano, jornalista e tradutor, morando aqui com minha mulher, com aquela discreta diselegância dela do que eu gosto tanto.

Colin Brayton