Falsidade Ideológica: Para uma CPI Gringa dos Correios

Padrão

Safadezas do GOP

ProPublica, um projeto de apoio ao jornalismo no interesse público nos EUA, relata:

An editor here at ProPublica received this “Census” form in the mail last week. In big, bold letters at the top it announces, “2010 CONGRESSIONAL DISTRICT CENSUS.” The form even has a “Census Tracking Code.” But it’s not from the Census Bureau.

Em redator aqui na redaçaõ recebeu esse formulário de “censo” a semana passada. Lá no alto da página, em grandes negritos, declara ser “Censo de Distritos Congressionais 2010.” O formulário até tem um “código de rastreamento do censo.” Não foi enviado pelu Burô Nacional do Censo, porém.

It’s actually a survey from the Republican National Committee. The mailer includes questions such as: “How much does it concern you that the Democrats have total control of the federal government?” “Do you think the record trillion dollar federal deficit the Democrats are creating with their out-of-control spending is going to have disastrous consequences of our nation?” And, “Do you believe the Obama Administration is right in dramatically scaling back our nation’s military?” At the end, it asks for a donation to the Republican Party.

Na verdade trata-se de uma pesquisa enviada pela Comissão Nacional do Partido Republicáno (RNC). O formulário incorpora tais perguntas como “O quanto preocupa-se com o fato dos Democratas terem controle total sobre o governo federal?” e “Você acha que o débito recorde do orçamento federal, de mais de US$1 trilhaõ, criado pelos gastos fora de controle dos Democratas, terá consequências desastrosos para nosso País?” Assim como “Você acredit que o governo Obama tem razão quando faz cortes dramáticas nas forças armadas?” No fim, pede uma doação ao Partido Republicano.

Faz tempo que a facção neoconservador que tomou conta do GOP (o “Grand Old Party” — O Velho Partidão) confundem o Estado com o Partido.

Exemplo: Para driblar a lei que regula os arquivos presidenciais — que são de domínio público, em tese — a turma de Bush nunca usava o correio eletrónico da Casa Branca (monica.lewinsky@whitehouse.gov).

Usava o e-mail do RNC, e reclamava sigilo e privilégio quanto às comunicações oficiais que utilizavam esse canal. Começaram logo ali em 2003.

A RNC disse que foi a política do partido foi manter e disponibilizar qualquer comunicação que pudesse caber dento da legislação sobre documentos presidenciais.

Mas: Quem detinha uma conta de e-mail da RNC — todos o homens de confiança do presidente, por exemplo — tinham o direito de apagar suas próprias mensagens.

Puta sacanagem.

Houve um baita de um processo, invocando a Lei da Liberdade de Informação (FOIA).

A Casa Branca só deixou de enrolar a Justiça com a chegada de Obama. Agora, a batalha travada entre CREW (Cidadãos Para Responsabilidade e Ética) e a Agência Nacional de Segurança (a NSA: arapongagem numa escala do que a Veja e o Ministro Mendes nem pudesse sonhar) sobre os quase 20 milhões de mensagens em questão. Estão chegando a um acordão, se não seja que já fecharem. Pode demorar cinco ou dez anos para o público ganhar acesso, fiquei sabendo.

Quanto à falsidade ideológica pé-de-chinelo descrita aqui:Tem quem ganha um salário vultuouso aprontando novas molecagens desse tipo, acredita? (Mainardi, por exemplo.)

Other people — including the Democratic governor of Montana and a Democratic representative in Georgia — have gotten the survey too.

Outros — o governador democrata do estado de Montana e um deputado federal de Georgia — também receberam a pesquisa.

The faux Census form doesn’t appear to be illegal. The United States Postal Inspection Service’s general counsel reviewed the survey in January and determined that it did not violate the Deceptive Mailings Prevention Act of 1990 (PDF). The act prohibits any mail from flat-out impersonation of a federal organization. In this case, using the word Census, even with a capital “C,” does not equate to impersonation of the U.S. Census Bureau, said Pete Rendina, an Inspection Service spokesman.

Aparece que o formulário faux não infrinja a legislação. O conselheiro jurídico do Serviço de Fiscalização dos Correios revisou a pesquisa em janeiro e concluiu que não violava a Lei da Prevenção de Enganosas Matériais Postais.

Servidores dos Correios nos EUA são conhecidamete loucos — tanto que tem o ditado “going postal”: Refere-se à frequencia com que empregados do Correio chegam ao trabalho armado até as dentes e mandam bala em todo mundo. Aconteceu mais uma vez o ano passado, se não me engano.

A lei proibe qualquer material mandado pelo correio que representa-se falsamente como vindo de uma entidade federal. Nesse caso, porém, o uso da palavra “Censo,” até com maiúsculo, não se considera uma personificação do do Censo federal, disse Pete Rendina, portavoz do Serviço de Fiscalização.

The survey also doesn’t appear to violate any Federal Election Commission fundraising rules, said Judith Ingram, FEC spokeswoman, because it includes disclaimers about who is allowed to donate.

Também não parece violar as regras da Commissão Federal de Eleições (FEC) sobre apelos para doações, disse a porta-voz da FEC Judith Ingram, porque inclui avisos sobre quem pode e não pode doar.

But why would the RNC send something under the guise of the Census?

Mais porque será que a RNC enviaria algo pelo correio disfarçado de documento do Censo?

We called Mark Weiner, the founder of Winning Mark, a progressive-leaning direct-mail campaign consultant, and he said using the term “Census” could earn the document a second glance, thus increasing the response rate and maybe even influencing an independent voter with its slanted questions.

Ligamos para Mark Weiner, fundador de Winning Mark, um consultor de tendência progessista na área de campanhas pelo correio. Ele disse que a palavra “Censo” pode ganhar para o documento um segundo olhar, incrementando a taxa de respostas e possívelmente até influenciando o eleitor independente com suas perguntas enviesadas.

Eu sou eleitor independente. Eu seria puto de vida de receber essa bosta.

“You’re trying to leverage the most valuable commodity — other people’s money,” he said. “This is obviously piggybacked on a lot of advertising around responding to the real Census.”

“Você tenta alavancar o mais precioso commodity de todos — dinheiro alheio,” disse. “Obviamente, isso pega carona com a propaganda relacionada ao Censo oficial.

2010 é um ano do Censo, que é tomado de dez em dez anos.

Quase esqueci-me de mencionar o fatinho mais relevante.

The RNC didn’t respond to our questions about why it chose to have its survey mimic a Census form. But spokesman LeRoy Coleman issued this written response: “The document clearly indicates that it is an RNC mailer. The purpose of this document is to gather Republican opinion from across the country and raise a little money.”

A RNC não respondeu nossas perguntas sobre a razão da sua pesquisar fazer mímica do formulário do Censo, mais o porta-voz LeRoy Coleman mandou a resposta seguinte, por escrita: “O documento claramente identifica-se como uma mensagem da RNC. O objectivo desse documento e recolher opiniões de Republicanos no País inteiro e angariar uma graninha.”

Claro. Foi nitidamente uma pesquisa desenhada para identificar as divergências entre

(1) os partidários que acham o partido de governo pior que os nazistas

e

(2) os patidários que acham o partido de governo pior que os nazistas.

Rep. Carolyn Maloney, D-N.Y., filed a bill today (the “Prevent Deceptive Census Look Alike Mailings Act”) (PDF) that would require more prominent disclosures on any mailing that uses the word “census,” although it wouldn’t outlaw the practice altogether. Maloney’s office says the congresswoman had filed a complaint about the mailer with the Inspection Service, and she filed her legislation after learning the Inspection Service won’t be issuing penalties.

A deputada Carolyn Maloney, Democrate de Nova York, introduziu hoje um projeto de lei (A “Lei de Barrar Máteria Postal Enganosamente Disfarçada de Material do Censo” que imporia divulgações mais destacadas em qualquer material postal que faz menção da palavra “censo,” embora não vetaria a prática completamente. O gabinte de Maloney disse que a deputada já reclamou do material como o Serviço de Fiscalização e introduziu o projeto de lei após tomar conhecimento que não haveria punição.

Minha antiga congressista, até a mudança de Fort Greene para Prospect Heights. Temos representação distrital. A moça até responda aos e-mails de vez em quando. Recomendo para vocês, se bem quem a reforma política saia em ano eleitoral e sapos virem príncipes com um único beijo.

The Democratic National Committee told us that it had never sent out anything disguised as a Census form. But here’s where you come in: Have you ever received anything like this before, from Republicans, Democrats or a company? We’d like to hear about it.

A commissão nacional dos Democratas nos disse que ela nunça enviou qualquer material disfarçada de formulário do Censo. Mais agora é sua vez: Você já recebeu algo parecido de Republicanos, de Democratas, ou de alguma empresa? Gostariamos saber!

HAVE YOU RECEIVED A FAUX CENSUS RECENTLY? Fax us a copy at 212-785-xxxx. Or, if you don’t have it on-hand, e-mail us the approximate date, your ZIP code, and any additional information.

Manda uma cópia por fax ao 212-785-xxxx ou, caso não tivé-lo à mão, manda correio eletrôncio com a data aproximada, seu CEP, e qualquer outra detalhe relevante.

Quanto tempo demorará até alguém pegar a noção de bombardeiar o número de fax com faux censos faux, para desmoralizar a pesquisa de ProPública?

Já rolaram coisas mais burramente maquiavélicas do que essa.

Inclusive — não quero choquear ninguém, mais inclusive — no Brasil.

Repito as palavras do sábio do Rio Mississippi, Mark Twain:

“No high-minded man, no man of right feeling, can contemplate the lumbering and slovenly lying of the present day without grieving to see a noble art so prostituted.”

“Nenhum homem de altos ideais, nenhum homem de sentimentos profundos e certos, pode contemplar as atrapalhadas e preguiçosas mentiras do presente dia sem lamentar a prostituição de tão nobre arte.”