«Obama-Osama Quer Fazer Churrasco com Seus Fetos Abortos à Força»

Padrão

Veja:  Abortion foe from Texas says he regrets outburst (oponente de aborto pede desculpas por desabafo).

Fonte: Washington Post.

Durante o debate acirrado sobre a reforma do sistema de saúde nos EUA, uma voz na multidão grita, «assassino de bebês!»

Agora começa o exercício em hermenéutica.

Disse “você é assassino de bebês» ou «ele [o projeto de lei] é assassino de bebês»?

Testemunhas citadas pelo Post — a sessão foi divulgado em rede nacional, ao vivo — ouviram um simples «asssassino de bebês,” sem pronome.

«No calor e emoção do debate, exclamei a frase «Ele é assassino de bebês», referindo-me ao acordo fechado pela liderança Democrata. Embora continuo com coração despedaçado pela dor com a aprovação desse projeto e as consequências trágicas que terá para quem ainda não nasceu, lamento sinceramente de que minhas ações foram interpretadas erradamente como uma referência direta ao Representante Stupak pessoalmente,” disse Neugebauer num release.»

(Vocês não tem o pronome neutro, «it» porque todo nome tem gênero. Ainda hoje meu pobre cérebro tem dificuldades com esso fato.)

Eis o discurso do seito neoconservador, que se opõe à reforma com fundamento em umaa doutrina radical da «responsabilidade individual.»

Grito «pega ladrão», inclinando a cabeça no sentido de Luis Nassif.

Depois, lamento que fui mal interpretado quando externei minha indignação com a onda de roubos no meu bairro.

Não sou responsável pelas interpretações erradas dos outros, que sufrem do Efeito Rashomon.

O que Austin chamou do elemento «paralinguístico» do ato de comunicar não consta na transcrição.

O revisionismo histórico em miniatura.

Stupak questionou os fatos.’ «Eu decerto entendi isso como um ataque pessoal contra minha pessoa,” disse durante uma entrevista na rede Fox. Lamentou o que chamou de “comportamento não civilizado» durante discursos no plenário que tem surgido no curso do ano passado.

(Cabe mencionar que Stupak é um Democrata que opõe-se ao uso de dinheiro do contribuinte para pagar abortos, salvo em casos de incesto, estupro, e risco à vida da mão.

Trocou seu voto em favor da reforma por um ordem executivo afirmando esse limites e fazendo com seguros médicos ofereçam uma escolha entre planos que cobrem abortos e outros que não cobrem.)

Na psicologia, a sofisma do legislador Republicano é chamado do viés de atribuição, e mais especificamente o erro fundamental de atribuição  — um artigo que ainda falta na Wikipédia Lusófono. Eu traduzo:

… a tendência de sobrevalorizar explicações fundamentadas em carácter ou personalidade para o comportamento dos outros enquanto minimiza explicações situacionais.

Assim como «os pobres são pobres porque são preguiçosos».

Uma variação, em bom e simples português

Minhas decisões são racionais, enquanto as decisões dos outros são emocionais e portanto distorcidas. Eu sou responsável em minhas decisões e ações enquanto os outros não são.

Outra característica desse tipo de discurso: o apelo emocional.

A sofisma reza assim.

A cabeça do brasileiro é emocional.

Portanto nós, os filósofos-reis capaz de pensamento racional, temos que induzir o eleitor a fazer a coisa certa, até se temos que manipulá-lo.

Como sempre dize um amigo meu, assim conseguem fazer as pessoas votarem «contra a própria carteira.» Bem dito.

Se quiser ouvir um sacerdote rezando a missa desse novo testamento, naveguem ao site de TV cidadão de Carlos A.B. Manhanelli, de Manhanelli Associados, presidente da ABCOP.

Eu me lembro de ter anotado um argumento dessa mesma forma por Geraldo Alckmin. Deixa ver …

Aqui ô.

Após voltar de uma temporada de estudos na Harvard, Alckmin voltou a lecionar em São Paulo, e deu coletiva. Do Estadão, 15/10/06:

Alckmin preferiu não falar muito a respeito das causas da tragédia na construção da linha 4 do Metrô de São Paulo. “O momento é de solidariedade às famílias. É prematuro criticar, falar sobre as causas. Quantas coisas estão sendo faladas de forma incorreta e nesta hora o melhor é falar pouco”.

O responsável é não responder.

E também rebateu as críticas de que o método de escavação e detonação de rochas usado na obra do Metrô não tenha sido o adequado. “Ali não poderia ter sido tatuzão”. Para o ex-governador a obra teria que ser fiscalizada todos os dias. “Não sou responsável. Deixei de ser governador há quase um ano e esta obra tem que ser fiscalizada todo dia”.

Foi ele que fechou o contrato «turn-key» que limita a fiscalização do projeto.

Nesse tipo de contrato, o cliente assina e não se envolve no projeto até receber as chaves.

Outro exemplo: Num vídeo que agora foi removido do YouTube, um documentarista australiano pergunta para Alckmin se ele sinta-se responsável pelas execuções sumárias cometidas na esteira da Guerra PM-PCC de 2006.

Alckim simplesmente sai da sala.

Sem reposta.

Porque Eu Sou um Assassino de Bebês

Eu ainda não conheço o teor do projeto de lei, mas era uma vez que eu fiquei sem seguro médico e quase morreu. Não exagero.

Eu não gostaria repetir a experiência.

Minha bolsa de estudos so pagava o custo do curso, e meu trabalho como palestrante adjuvante pagava o sálario mínimo — recebido, por exemplo, por adolescentes servindo refrigerante no McDonald’s. Não brinco.

Quase 75% do ensino dentro da universidade era feito por mim e meus colegas, mestrandos e doutorandos.

Formamos um sindicato, vencemos na justiça e vencemos com nossa greve.

Agora, o sindicato espalhou-se a várias outras faculdades de alto perfil, inclusive na Liga de Hedra.

Segundo esse pessoal, eu deveria não ter merecido entrar em um programa de pós-graduação que aceitava 12 dos 600 aspirantes cada ano.

Até com marcas perfeitas em letras e matématica no vestibular.

Deus me odeia.

Deve ser isso.

A meritocracia dos neocons é a meritocracia da verdadeira fê.