O Ecosistema Digital do Millenium: Quatro Obfuscadores Num Beco Sem Saída

Padrão

Minha boca pronunciou e pronunciará, milhares de vezes e nos dois idiomas que me são íntimos, o pai-nosso, mas só em parte o entendo. –J.L.Borges

Nova hipótese: Várias integrantes da ecologia digital do Instituto Millenium tem algo em común.

O mesmo método técnico de obfuscar a identidade, utilizando a mesma infraestrutura.

Ora, suponham que eu dou-lhes meu cartaõ de visita e convido vocês a conversarem comigo sobre negôcios.

Vocês ligam ao meu celular. O número está sempre ocupado. Então, dirigem-se ao endereço no cartão — digamos, um hotel quatro-estrelas em Ipanema.

Lá, o porteiro informa que deixei a mensagem de vir me procurar hoje no Copacabana Palace.

Lá, o porteiro diz que acabo de ir almoçar numa churrasqueria na Baixada Fluminense.

Chegando lá, vocês ouvem do proprietário-churrasqueiro que acabo de sair ao aeroporto para pegar um jatinho, mais aquela noite eu posso ser localizado num puteiro de João Pessoa, afirmando que a vida é boa.

Que pensariam de mim?

Isso é basicamente o método de no mínimo três ou quatro sites no ecosistema digital do Instituto Millenium, e provavelmente muitos, senão quase todos.

Vamos começar com duas pessoas aparentemente distintas: O Afrobras, financeiro da Faculdade Zumbi dos Palmares, e o Diogo Chiuso o Recluso, blogueiro com site aparentemente hospedado em Curitiba.

Meu ponto é simples: seguindo a picada de «whois proxies» de ambos os sites — os porteiros que mandam você à casa da Mãe Joana — desembocamos no servidor do ThePlanet.com.

Lá começa uma série de «WHOIS proxies» beco-sem-saída, onde um pedido de conexão de um usuário de NET Virtua (Globo-Telmex) — minha querida macunaimachine, no mapa mostrado acima — é recusado com erro 102.

Sobre esse erro, mais, em breve.

Além disso, já notamos que o site do UNOAMERICA — fábrica de discurso violente anti-Foro de São Paulo — também desemboca no mesmo beco sem saida.

Assim como no caso do site de Diogo Chiuso — eu acho que o pseudónimo podia ser homenagem ao fundador do grupo venezuelano Fuerza Solidária, Alejandro Peña Esclusa — o jardim de los  senderos que se bifurcam desmboca no revendedor Directi Internet Solutions Pvt. Ltd. de Mumbai-Bangalore, d.b.a. («fazendo negócios sob o nome») PublicDomainRegistry.com.

(Palpite puro:

  1. Diogo Costa (Cato Institute) = Diogo Chiuso
  2. Alejandro Peña Esclusa = Alejandro Chafuen (Atlas)

«Peña Esclusa» seria um trocadilho bilíngue italiano-castelano para «quadrilha exclusiva» ou «clube exclusivo.»

Digo isso também porque muitos dos textos da famosa série «The Federalist Letters» foram escritos sob pseudónimo. Juristas ainda hoje discutem quem escreve determindao texto: Madison? Aaron Burr? Hamilton? Jefferson?

E o propósito central da Federalist Society é nada menos do que fazer valerem os argumentos de quem perderam o debate sobre a forma final da Carta Magna de 1789.

É um projeto verdadeiramente revolucionária idealizado por trotskistas assumidos como Richarde Perle.)

Voltando ao PublicDomainRegistry.com.: Quem é esse último?

A pergunta é referida mais uma vez ao servidor WHOIS de moniker.com, que responde ao usuário de NET Virtua com o erro 102:

Quanto à Fuerza Solidária, desemboca também num «WHOIS proxy» beco-sem-saida.

Não deveria ser surpresa: consta no perfil da «quadrilha fechada» na Mídia Sem Máscaras:

É dito presidente tanto de UNOAMERICA quanto de Fuerza Solidária

Mas isso de Peña Esclusa concorrer a presidência de Venezuela em 1988 tem mal cheiro de lenda.

Consta até no blog do Instituto Millenium, numa nota-manifesto contra o Totalitarianismo Bolivariano — por um certo Professor Moderno, dito presidente da Academia Brasileira de Filosofia Rio (leia-se Olavo de Carvalho) :

ALEJANDRO PEÑA ESCLUSA foi candidato a presidente Venezuelano em 1998 e obteve 0,04% dos votos, é uma figura caricatural como Enéas foi aqui no Brasil …

No site da da MSM, porém, ele e apresentando como um dos «principais opositores politicos» de Tio Hugo. Portanto, MSM não pode ter nada a ver com o Instituto, né? Porque ninguem podia ser tão incoerente assim, podia?

Leitores da Lógica de Hegel saberão melhor.

Eles desmoralizam-no, para despistar.

Já vi Olavo de Carvalho fazendo isso outras vezes — desmoralizando uma fonte ficticiosa que era criação dele mesmo. Quem sabe como pensam esses malucos?

Para falar a verdade, sei.

São Maoistas digitais, como disse Jaron Lanier.

(Poxa, turma, pegue leve com o Daime, viu?)

Voltando ao trabalho de pá.

O servidor onde fica hospedado o site, SITEGROUND191.COM, desemboca no servidor WHOIS de Tucows — assim como UX9.COM.BR, hóspede nominal-nacional de AFROBRAS.ORG.BR.

Essa vez, tem informações:

Domain name: SITEGROUND191.COM
Administrative Contact:
Castrellon, Jose admdomains@siteground.com
Edificio Neptuno Oficina 7
Via Ricardo J Alfaro, Tumba Muerto
Ciudad de Panama, TX PA
PA
+5078321530 Fax: +1.8662278564

Technical Contact:
Castrellon, Jose admdomains@siteground.com
Edificio Neptuno Oficina 7
Via Ricardo J Alfaro, Tumba Muerto
Ciudad de Panama, TX PA
PA
+5078321530 Fax: +1.8662278564

Mais uma república bananeira e paraíso fiscal invadido por nossas forças armadas.

Mas e agora: WHOIS SITEGROUND.COM?

A pergunta nos leva a mais um servidor WHOIS — «whois.dotster.com» — que retorna o eterno Erro 102 ao brasileiro curisoso usuário de NET Virtua.

E uma busca «traceroute» nesse servidor?

Passa pelo ThePlanet.com — refugio de covardes anônimos e beco-sem-saída.

A Rede Lá Não Falha em Série Como Faz Eletropaulo

Uma falha simultánea em uma série de servidores aparentemente independentes entre si é pouco plausível — salvo no caso da rede de AES Eletropaulo quando chover (isso é, cada santo dia).

Dá para ouvir as explosões dos transformadores dimuindo na distância rumo ao central, como um trio elétrico virando a esquina.

As buscas «traceroute» também mostram isso, reforçando a hipótese de que — eu vou me permitir uma alegoria omérica aqui — assim como estudante com bolsa de estudos na Escola Kennedy de Harvard, que aceita emprego na Rua K após se formar, o sinal desemboca na terra da Jaspora — Washington D.C. — para não retornar jamais.

Mas ainda tem trabalho a ser feito.

Temos que achar mais casos utilizando o mesmo duto anotado aqui antes de podermos dizer com razoável certeza do que se trata aqui.

Um trabalho importante nesse sentido será fazer uma lista de servidores que oferecem anonimidade distorcedora, assim:


Aqui, os vigilantes anti-spam podem ser mobilizados.

ALEJANDRO PEÑA ESCLUSA foi candidato a presidente Venezuelano em 1998 e obteve 0,04% dos votos, é uma figura caricatural como Enéas foi aqui no Brasil