A MOSCOU Evangélica de São Paulo: QuaNGO ou GONGO?

Padrão

Parar completar nosso análise da rede no qual o YouthActionNet e a Oncovô Propaganda são embutidos, é preciso identificar o outro braço da organização «guarda-chuva», o International Youth Foundation (IYF).

Trata-se d e uma IYF² — o International Youth Fellowship — embaixo da mesma «guarda-chuva» do outro ramo do esquema, o MOVEMENTS.ORG, projeto da agência BLUE STATE DIGITAL.

Atrevessando essa rede, vamos levarmos em mente uma distinção entre GONGOs e QuaNGOs — se houver, uma vez que ambas as categorias são meio ambíguas.

Uma GONGO é uma «government-organized nongovernmental organization», ou «ONG organizada pelo governo».

Uma QuaNGO é uma «quase-ONG» — quer dizer, uma organização como se fosse não-governamental.

São dificeis a diferenciar sob estas definições, não são?

Mais uma definição: BINGO, ou «big international NGO» — uma baita de uma ONG transnacional.

Sugiro as hipóteses seguintes

  1. AYM é um BINGO
  2. A rede do IYF² no Brasil é um GONGO,
  3. Os GOvernos desse GONGO são governos estaduais do PSDB
  4. Esse GONGO é a descendente de um complexo QuaNGOo ex-oficio
  5. Esse GONGO visa reestabelecer-se o modelo QuaNGO no nível nacional

Primeira coisa: A mão escondida do Blue State Digital é bem visivel no modelo, a plataforma e o mecenato social-midiáticos compartilhados por projetos como

  1. Campus Party
  2. World Camp
  3. Global Camp

Tarefea de casa: WGET todos os sites e faça uma comparação.

Todos têm o mesmo projeto, navegação, APIs sociais, memeologia, e conteúdo, não tem?

Quando falo de conteúdo, não quero dizer somente aquilo legível por seres humanos. Prestem atenção no código Javascript embutido e todos esses sites.

Aqui, porem, quero começar comentando a estrutura AYM-IYF¹-IYF² — que na questão de «quem é?» e «quem paga a conta de Light?» some no beco sem-saída do IYFEF:

Segundo, quero comentar o fechamento de dois circúitos de ofuscação:

  1. A rede de estatais de economia mista (Sabesp, Imprensa Oficial)
  2. A rede de fundações apartidárias ligadas indiretamente a um partido político

Essas vias, como todos as outras, também levam à Roma.

IYF² e sua MOSCOU

Uma MOSCOU, lembremos-nos, é uma mídia orquestrada por a sociedade civil de

  1. ONGs/OSCIPs unidas
  2. Oligopólios unidos

A MOSCOU do IFY² é mais o menos o seguinte — ainda so analizada até dois graus de separação, cabe lembrar.

Uma MOSCOU tipicamente conta com

  1. Uma economia mista dos tres setores
  2. Diretorias entrecruzadas entre entidades dos tres setores
  3. Mídia tradicional dedicada  — aqui, DO, Rádio Metropolitana, e UOL, para começar
  4. Um elemento guerrilha de marketing viral — aqui, YouthActionNet, uma MOSCOU-ponte mal disfarçada como uma MOSCOU-caseira verde-amarela e lusófona.

A BINGO nesse caso é o AYM, do qual esse ramo religioso revela novas facetas.

O Homem No Meio

O «homem no meio» dessa rede social é essa faculdade de Huntington, pacato município no estado de Nova York, chamado de Mahanaim.

No hebréu, quer dizer «os dois encampamentos»  e recebeu esse nome do patriarca durante a sua viagem de volta a terra de Canaan. Lá encampado, Jacob teve uma visão do encampamento de Deus e deu o nome para comemorar a convergência da Civitas Dei e as tendas do tribo.

Depois, foi o latifúndio do tribo de Levi — cujo profissão tradicional era a sacerdocia. Foi brevemente o capital do reino de Israel sob o filho de David.

Num primeiro momento, não consigo achar nenhuma informação sobre a fonte de apoio da instituição.

Tem um diretor de teologia koreano egresso de uma ótima faculdade católica no centro-norte de Califórnia e uma faculdade de missionários em Korea.

  1. A faculdade conta como
  2. Apoiador do IYF religioso
  3. Parceiro da Prefeitura de São Paulo. UOL, e o coro de um colégio-modelo privado de Korea do Sul, entre outros, no IYF religioso paulista

Também curioso é o «self-dealing» que acontece nessa estrutura.

Na verdade, o mapa deveria mostrar o seguinte.

O IFYEF, fundação de educação tem quarto projetos

  1. World Camp
  2. Global Camp
  3. Good News Corps
  4. IYF religioso

Apoiadores do IYF religioso incluem outro projeto da organização máe — o Good News Corps — e também o IYF secular, ambos sob a guarda-chuva de MOVEMENTS.ORG

Eu acho provável o BLUE STATE ser autor direto ou indireto de todos os  projetos de ambos os IYF, dado as semelhança marcante  em design, partrocínio, e memeologia.

Quer dizer quequem já espalhou boataria de que Blue State seria atŕas da Cíberdilma provavelmente estava fazendo o serviço no Nome-do Pai secreto dessa mesma empresa de marketing política.

Apocalipse-Revolução em Cadeia

Ora, não quer levar muito tempo com essa nota hoje.

Vamos terminar com a «revolução em cadeia» do PSDB.

Ora,

  1. O parceiro do parceiro do IYF religioso dito brasileiro tem como diretor o senador Carlos Jereissati
  2. O IYF religioso dito brasileiro tem como parceiro e mecenas orgãos dos governos municipais e estaduais de São Paulo

As ONGs ligadas a essa rede multisetorial forma um a revolução em cadeia.

  1. Um parceiro do IFYRDB é VOLUNTARIADOS.ORG
  2. O responsável para este e FACAPARTE.ORG, o dominío do instituto do senador
  3. Outra diretora é responsável pelo PORTALDOVOLUNTARIO.ORG.BR
  4. O responsável para este é COMUNITAS.ORG.BR
  5. Este é também o responsável pela ONG AlfaSol — aquela supostamente poupada na CPI das ONGs
  6. Um projeto do governo de Alagoas — Teotônio Vilela (PSDB) ainda o governador? — mantèm uma página da Fundação Ruth Cardoso no seu site, que o selo de qualidade a várias institutos e fundações apartidárias.

Não entro nos méritos dos repasses à AlfaSol tanto no FHC II quanto no Lula I. E perfeitamente possível que o simplesmente  MEC achou que o progama tinha um bom perfil custo-benefício. Dona Ruth era uma mulher sábia e competente, todo mundo diz.

Em fim, o que temos aqui são duas coisas.

Primeira, uma campanha de marketing transnacional e pan-setorial com

  1. táticas coordenadas entre
  2. abertas e
  3. clandestinas, alvejando
  4. uma demográfica ora baladeira — bedebedores de ©he Cola™  —
  5. … ora evangélica — essa última a juventude de moral, a juventude de larissa.morais@usa.net e de moraes.

Segunda, eu vou deixar com você.

QuaNGO ou GONGO? Considerem que

  1. a Imprensa Oficial do Estado patrocina
  2. Um projeto, IYFRDB que
  3. Tem uma aliança com a Prefeitura e
  4. outra com uma ONG que
  5. pertence a uma cadeia de ONGs levando, em fim, à
  6. iFHC e
  7. uma agência do governo de Alagoas.

So direi que tem casos muito parecidos nos EUA onde a revolução acabou na cadeia mesmo.

Em conclusão, só quero dizer que se as eleições nacionais Brasil 2010 sigam o modelo das de Alagoas em 2006, Deus nos ajude.

Se não lembrem-se, matérias utilizadas para preparar as e-urnas foram descobertas queimadas perto do galpão da empresa contratada pelo serviço. Clonagem de urnas, que nem se faz com celulares, é tecnicamente possível, até fácil para quem tem acesso às urnas.

Pergunte a Almicar Brunaço, o engenheiro sabe tudo sobre o assunto — e sobre alegações de uma roubada da eleição em Ohio mo mesmo ano.

A empresa de informática que trabalhava para o governo do estado também trabalhava para o partido de um dos candidatos — o partido também do Secretário de Estado, responável pela condução de eleições.

Os dados sobre os resultados do pleito passaram por um servidor do partido antes de serem divulgados pelo governo.

Sobre isso, veja também.

Anúncios