Memeologia do Dia: 13/4/2010

Padrão

Hoje, o site do PT voltou, com novo visual e uma entrevista em destaque com o organizador do Campus Party — o visual do qual tão obviamente vem do mesmo padrão.

A primeira coisa que fez foi convidar tudo mundo para ser um «petisa 2.0» — confirmando o contrameme de «neopetista« do anti-continuismo, mas afirmando-o com orgulho.

É o meme do dia.

O site ainda vem, porém, com aviso: «o PT virtual é um perigo à segurança da sua macunaimáquina».

A Conversa Afiada de PHA — o «Huffington Post » tropical, Deus me livre — também tem novo visual. Também é da mesma fábrica de sites feito encima de Macromeda Flash e novas tecnologias sociais.

Um elemento em común de muitos desses sites, por exemplo, é o uso do padrão XFN 1.1 — herdeiro do velho e fracassado FOAF, ou «amigo de um amigo», daquela nebulosa turma de RSS Investors.

O modelo, uma elaboração de XML, define o atributo «rel» — para «relação» – e permite a classificação em categorias como «conheci uma vez», «é meu colega», «é quem paga meu salário », «é meu filho», e assim por diante.

O mesmo modelo é utilizado no LinkedIn.

Entretanto, Dilma disse no Twitter que não disse o quê todo mundo disse que disse, segundo a Folha.

Continua sendo o maior disse-que-disse e jogo de «susurros chineses».

Come conseguiram diferenciar a verdadeira ciberdilma dentre todos os xarás, aliás?

Até eu tenho xará agora (acima).

Fonte: FSP/Clipping Minplanej.

Após dois, três dias de «polêmica», agora temos os ipsis litteris da afirmação.

No evento de sábado, com o presidente Lula, Dilma afirmou: “Eu não fujo da situação quando ela fica difícil. Eu não tenho medo da luta”. Citou ter sido “maltratada” e ter apanhado no passado — durante a ditadura, Dilma foi torturada. “Em cada época da minha vida eu fiz o que fiz porque acreditei no que fazia”, disse na ocasião.

A fala foi vista como uma crítica ao seu opositor, o pré-candidato ao Planalto, José Serra (PSDB), que durante a ditadura se exilou no Chile. Dilma permaneceu no Brasil durante o regime militar, indo para a clandestinidade.

A voz passiva é o refúgio de anônimos covardes. Quem viu a fala assim?

Como se não fosse com a MOSCOU do Millenium.

E desde quando podemos traduzir a frase «eu fiz algo» com «você não fez»?

Eu estou cansado.

Estou dizendo que boizebu666 não estiver porque obviamente é um viciado em metanfetamina?

Seria má-fê e uma ilação indevida  supor isso.

A «hermenéutica de suspeição», tal como é praticada por Lacanio-USPianos, está em força.

Realmente, Chile nos anos 1970 não era exatamente chá com a Rainha. O regime de Pinochet foi tão brutal com liberalais — a «baderna liberal» foi a lema dos revolucionários do Dia de Mentiras — quão com comunistas, não sabendo diferenciar os dois na hora de botar pessoas contra o paredão.

Entretano, do anti-continuismo virtual: «Lula, que sabia, é hipócrito quando às baixarias eleitorais».

Foi no livro de Ecclesiastes?

«Tudo velho é novo de novo»

Acho que já li esse factóide várias vezes, e cada vez, foi apresentado como novidade.

Se fosse comigo, eu aconselhava contra o retorno da Pergunta Alckmin: «Donde veio o dinheiro» dos aloprados?

Uma campanha de mudança não pode ser visto repetindo velhos chavões.

O mesmo meme pode ser reciclado — está na mesma natureza do meme ser infinitamente repetível-reproduzivel —  mais deve ser ancorado em novos fatos. Assim como «O Brother Where Art Thou » dos irmãos Cohen é uma nova, criativa aproximação aos temas da Ilíada, vocês precisam jogar fora o velho roteiro. Ja vimos esse filme.

«O PAC é para inglês ver» é melhor nesse sentido técnico, mais infelizmente pode ser rebatido com fatos. O PAC 2.0 é o contrameme: se gostasse do original., vai adorar a sequência!

«Ciberdilma=Ciberobama» também é, apesar de ser uma escandalização do fato conhecido que políticos em geral empregam marketing e encenam eventos. Qual a novidade?

Atlas Dará de Ombros

Na terra de Obama, a Atlas Economic Research Foundation — a fachada do Instituto Cato e montador de tantos Vilarejos Potemkin na «ecosistema digtal» do Instituto Millenium — manda um «reserve a data» para um congresso futuro.

Tópico: «Zambumbando o socialismo seja aquí em casa seja no estrangeiro».

As sessões incluirão

  1. Liberando o setor de saude das garras do Estados
  2. O contrapeso ao chavismo na América Latina
  3. Salvando o livre comércio na idade de Obama
  4. Aquecimento global: Ciência ou ideologia?
  5. Primeiros princípios do liberalismo clássico

Tradução: a indústria de remédios ainda paga nosso salários.

Aqui posso acrescentar um novo nome ao elenco de Atlas, que parece mudar com bastante frequência. Na hora de receber o novo Formulário 990 do Fisco, já mudaram o equipe todo.

Este novo pesquisador do instituto, Delroy Murdock, é colunista sindicado em 400 jornais cada semana pelo grupo Scripps-Howard, e aparece com frequência nos conteudutos de General Electric (MSNBC, CNBC, NBC),  NEWS Corp (Fox, New York Post),  e Sun Myung Moon (Washington Times, UPI).

Eis o modelo Cato: A missão principal é dominar a conversa eletrònica e impressa em todos os canais com um exercito de «acadêmicos» que não divulgam conflitos de interesse. Ao final, pseudonimato é um componente essencial de liberdade de expressão!

Isso de aquecimento global mostra que a influência de ExxonMobil continua em força.

Ai Que Preguiça! Mais Meus Robôs Trabalham

Yacy estava atrapalhando por causa de problemas com Java, pois estou rodando dois robôs no momento:Open Search Server v1.1.2 stable  rev 714  build 499, além de  Pavuk, que roda no terminal. Acho que dá para recompilar com GUI.

O OSS é legal por ter algorítmos de análise linguística na final flor de Lácio. Todos os projetos nesse sentido desenvolvidos no Brazil só rodam no Windows, enquanto todos os projetos bacanas agnósticas — GATE, YALE — não falam portgues. Romêno falama. Árabe falam. Português não falam.

A blogosfera do Instituto Millenium, entretanto, parece ter crescido bastante.

Estou vendo pela primeira vez, por exemplo, o Heritage Institute — reduto da linha dura do movimento neoconservador.

Meu robô-bandeirante ainda está garimpando ouro no interior da Atlas Network, mais tem algumas novidades:

Tem novo site — para mime — no State Policy Network, uma rede de «think tanks» estaduais chamado o Show Me Institute, de Missouri. O estado é conhecido como o «estado que só acredita vendo». Minha familia tem suas orígens lá. É verdade.

Também fiz essa imagem. Depois eu explico.

cbraytom@carmenmiranda sou eu.

Mais interessante ainda:

Quem é Polkan Garcia?

Esse homem Polkan Garcia, organizador do Campus Party Colômbia, parece ser personagem-chave no ecosistema digital da rede CPLabs. Quem é, virtualmente falando?

No LinkedIn, é dono de Coregroup (Colômbia) e um consultor para PNUD. Sem menção do CPLabs, que conta o governo colombiano entre os clientes, parece. Não há site configurado no endereço indicado.

Consta também como desenvolvedor de Debian — com pouco inglês — trabalhando em slcolombia.org, uma rede de software livre conhecida como El Directorio.

Tem algum participação em foros de desenvolvedores do distro Debian — meu distro de coração agora.