Admiráveis Internautas Novos: Dois Seres Humanos da Rede Millenium

Padrão

Anita Lucchesi — uma moça talentosa que existe somente a três graus de separação de mim no LinkedIn — é a pessoa interessante do dia.

Não é somente por ser a coordenadora de redes do Instituto Millenium.

Além de trabalhar no instituto, Anita está formando-se historiadora no UFRJ, e mantêm um blog caprichado sobre suas pesquisas e estudos. Também mantêm um índice de recursos sobre a história do Brasil, em inglês, em formato de blog. Faz parte do WWW-VL, a biblioteca virtual da dúbiúdúbiúdúbiú.

Uma admirável internauta nova.

Chega a hora quando o cíberjornalista deveria levantar a bunda da cadeira e ir falar com pessoas de sangue e osso, cujos cérebros são as redes mais intrigantes já concebidas. Eu gostaria de entrevistá-la. Como é que uma coordenedora de redes trabalha?

Também gostaria de falar com Paulo Gontijo Olinto Ramos, dois graus distante mas não consigo lembrar que é o cara entre mim e ele. Cruzei com Anita no rastro de Paulo, que surgiu enquanto eu seguia o fio de … na verdade não me lembro.

Até 2007, Paulo era um gestor no Insituto Millenium, segundo o currículo dele. Agora se diz sócio de uma agência chamada de Ebulição Comunicação, assim como responsável pelo site Planeta Ponto Com — um «.ORG.BR».

São lúdicos, esta turma.

Paulo se diz especializado no marketing de políticas públicas. Como tal, ele seria uma ótima entrevista, uma vez que — abandonados os assuntos sobre os quais eu escrevia antes nesse blog  — é exatamente isso do que trata-se esta série de notas, observações, palpites e crónicas de um internauta internacional.

Acho que o nome de Paulo emergiu de algum jeito de um desejo que surgiu hoje. Faz sentido, não sei exatamente porque, voltar aos raizes dessa investigação e mergulhar mais fundo naquela parte dessa rede que é da minha conta como contribuinte dos EUA — meu único moral para me manifestar politicamente, eu não sendo eleitor de cá.

As redes que Paulo escolha para si no Facebook , por exemplo, mostram que se pode tirar o comunicador do Millenium, tirando o Millenium do comunicador é outra coisa.

O Paulo acompanha, por exemplo, o movimento F2T — liberdade para fazer negócios.

The F2t Campaign unites 76 think tanks in 48 countries, and thousands of people around the world, who believe in freedom to trade and oppose protectionism in all its guises.

«A campanha reune 76 institutos de pesquisa de 48 paises, e milhares de pessoas no mundo inteiro que acreditam na liberdade de comércio e opoem-se a protecionismo em todas suas formas.»

Como, por exemplo, o limite, tão duradouro até durante a ditadura e a época de FHC, sobre a participação de estrangeiros em vehículos de comunicação social brasileiros?

A campanha descreve-se com parte de uma coalizão com vários avatares do Atlas Economic Research Foundation e o Policy Network.

Os perfis dos diretores administrativos do Policy Network são todos assim:

São todos fantasmas.

Os sites de vários consórcios de marketing político nesse mesmo núcleo moram no mesmo servidor.

Chama-se 173-45-244-96.slicehost.net.

Hospeda vários outros sites, na maioria empresas relacionadas com jogo e serviços financeiros. É um caso curioso. Mais em seguida.

Oferece o caso como ilustração de um fato muito trabalhoso de comprovar mas intuitivamente óbvio após vagabundear o suficiente no jardim de caminhos que se bifurcam.

Paulo é também integrante de TED, «ideias que valem a pena espalhar-se». Tem um burô de palestrantes e monta vários eventos, entre eles um congresso cada ano em Oxford. É patrociniado por o criador da revista Business 2.0, Chris Anderson, por meio da fundação Sapling.

Patrocínio:

Por ocaso, o site da organização mora num servidor de DEMANDMEDIA.COM, hospedado em torno pelo referido Akamai.

Entre os palestrantes, Ray Kurweil, futurólogo. Em entrevista comigo em 2001, ele me disse que o Dow chegaria até 36.000 em 2003.

Pouco depois, o estouro da bolha da Internet e o 11 de setembro — que ele não previa, como todos nós.

Hoje, o Dow está em 10.900.

Que futurólogo, hein? O cara é completamente louco.

Nota Final: Planeta Ponto Com

Esses movimentos espontâneos da sociedade civil brotam como grãos de milho, é isso que pretendo demonstrar. O Atlas tem um toolkit com conselhos para formar seu próprio instituto de pesquisa de eu sozinho.

Parece muito impressionante ver uma longa lista de integrantes da coalizão, até cairmos no real. Os institutos da rede RELIAL, por exemplo,  foram estabelecidos, quase todos, pelo mesmo lobista, Alejandro Chafuen.

Que podemos observar sobre a ONG Planeta Ponto Com? O patrocínio divulgado vem do Estado de Rio, UNICEF, é Oi. O projeto presta serviços de consultoria em TI a diretores de escolas públicas.

Publicou uma série de livros infantis, «A Turma do Planeta», meio nos moldes do desenho americano «Captain Planet».Edita uma revista. A escritora Silvana Gontijo toma conta do projeto.