Domingo na Fazenda de Faça-Clique: Notas Técnicas Indignadas

Padrão

Velho mas notável: durante uma busca para soluções aos problemas endêmicas e frustrantes que tenho com meu laptop marca Dell Latitude D620, CNET News informa que possivelvemente não são da minha inteira culpa e caveat emptor 4ever.

A matéria é do dia 10 de stembro de 2008. A tradução mambembe é minha .

Um novo processo alega que Nvidia perdeu mais que US$3 bilhões do seu valor de mercado porque escondia falhas nos seu processadores gráficos. Impetrado por Shalov Stone Bonner & Rocco Advogados, o processo reclama de «uma série de inverdades e omissões que ativamente escondia e falhou na divulgação da remarcavelmente alta taxa de falhas nos adaptadores de vídeo da empresa»

A raíz de todos meus sofrimentos dos últimos anos, estou convencido, deve ser isso, apesar de que so no ano passado comecei a sofre de panes repentinas devidas ao sobreaqucimento do processador. Você está bem de vida é de repente hluapf! a sua macunaimáquina se desliga, apesar dos vários robôs que você instalou para fiscalizar a situação e tocar os sinos de alarme.

Tenho um Eletropaulo em miniatura na mesa de trabalho.

Java Jive

Outra tecnologia que jamias consegui fazer funcionar bem é Java.

Me desculpem. Entendo que é o sistema de programação de preferência na minha antiga faculdade hoje em dia, mas o gênio das ferramentas disponíveis não recompensa o fato de que não consigo rodá-las.

Estou fazendo um programa mas sério de «crawling»e indexação agora, por exemplo, e inspirado em estudo da bogosfera em Maláysia — embora eu acho necessário capturar as sinergias entre samizdat e midia tradicional 2.0 — resolvi baixar e tentar rodar Nutch, com Lucene e tudo aquilo.

É bem bacana, mas não roda-se na minha máquina sem causar estragos.

Tenho o mesmo trabalho com Yacy.

Não é por ocaso, estou pensando, que após rodar as duas ferramntas mas bacanas que tenho, Network WorkBench e Gephi — Java — tenho que reincializar a macunaimáquina quando o módulo acpi-cpufreq pira de repente.

Estou virando um verdadeiro PPPista — puro PHP, Perl e Python.

Harvestman é meu melhor amigo hoje em dia, por exemplo.

Tampuco nada mal é o bom e velh …

wget -rH www.diogoodiogoodiogo.com

Começando In Extremis e De Profundis

O quê estou fazendo é uma comparação básica da infraestrutura das organizações em rede dos dois polos da disputa eleitoral no Brasil de 2010 — CUT e os DEM.

Não são tão diferentes assim, realmente. Meu modelo meio ad hoc dos elementos toma conta de

  1. SERVIDORES: infraestrutura técnica — ROBTEX.COM, Chrome, GNOME NetTool
  2. PLATAFORMA SOCIAL: Twitter e tudo aquele babado badaldo pela imprensa — «Dilma fala sobre Norma Bengell em Twitter!» no sobrio Estadão, que absurdo!
  3. SAMIZDAT: Instâncias do uso da plataforma social  por militâncias … e lideranças posando de «gente que nem a gente»
  4. PARTIDÁRIA: Sites dos partidos e instituições relacionadas — o iAbramo e iFHC, o iTeotonio e a Fundação iBrayton pelo iEstudo  do iPES e iBOPE
  5. IDEOLOGIA: campanhas sobre assuntos gerais ou inteletuais — a classificação utilizada pelo OpenSecrets.org e o Leão de Gringolãndia, o IRS.GOV
  6. PROPAGANDA: design de sites, montagem de campanha publicítárias, consultoria — serviços profissionais em geral

São os profissionais, com nome dados aos bois, que me interessam mais. è um bom jeito de vir a conhecer a indústria de propaganda e markting brasileira em detalhe. Alguém conhece um bom almanaque setorial que não custe uma fortuna?

Depois eu explico essa ontologia mambembe.

Bom exemplo de ideologia, neste sentido, é Trâfego Sambodiano Menos Hobbesiano, ou que seja.

Campanhas em favor de valores difusos –como democracia, filhotes de gatos, liberdade, as crianças, pensemos por um momento nas crianças.

Basicamente dizendo que somos em favor de tudo aquilo que ninguém é contra.

Nossos opositores não apoiam felicidade ou futebol!

No caso da situação, trabalho escravo é uma campanha mais geral que encaixa-se na categoria de ideologia.

Entretanto, com licença, estou mudando o domicílio de 40 GB de dados para uma Ilha Grande Caimães — um disco rígido externo USB –nesse exato momento.

Quando o governo central da pátria eśta confiscando dados, como uma ministra Zélia roboôtica, melhor assim.

A Torre de Babel de Xis-Ém-Él

Quase que Pregraph, parte do Network Workbench, sirva de uma ferramenta útil.

GUESS, o editor visual do pacote — também Java — seria legal se não quebrasse ao sistema sem falha.

O que tenho que entender agora é a questão de sempre: a traducção de vários formatos de dados em outros.

Nada bate …

dotty malucos.dot

… para um rápido pedido de vista à imagem da rede, eembora o problem continua sendo como chegar de XGGML, GraphML, ou qual outro sabor de XML  — XBRML, XBurguerML, PessoasQueEuNaoAguentoML — ao .mat, ou .paj, ou .arff , ou não sei o que.

E de lá para .dot, e sem gastar muito tempo.

Abençoadas sejam os programadores trabalhando em projetos tipo «Formato2Formato.bin».

Outro pé no saco: Que todo mundo não una-se no uso de Unicode.

Um Exemplo: Imaginando o Espaço Politicovirtual

Um exemplo: Eu faço o sorteio de sites recolhidos da mata-petista — a ecologia digital da situação federal, baiana, paranense ….– utilizando meu modesto programa de BASH.

Pena  todos os sites .COM não serem de empresas, .e ORGs de ONGs, e BLOG.BRs de pessoas físicas tupiniquins, e assim por diante. A não falar nas mentiras e meio-verdades contidas em arquivos FOAF-FOFO-XFN-RDF.

OBichoPreguiça.NãoÉMeuVerdadeiro.Nome.USA.

A rede semântica ainda está longe de ser realizada porque pessoas gostam demais de brincar com a semântica de identidade virtual.

NomeDePolitico.com eu acho especialmente estranho.

Tish James, que me representa na Câmara de Vereadores de Nova York — gosto dela , é sem partido, como o prefeito, uma raridade — S/A? Com fins lucrativos? Políticos com fins lucrátivos sendo um dos maus do Brasil, ao lado de saúde, saúva, a fronteira paraguaya e as Globo.

Houve uma entrevista com o chefe de diplomacia pública dos EUA, em 2008, em que o cara foi perguntando como ele pode asseguar que uma rede social na língua persa não foi infiltrada por agentes do governo estadounidense.

Desconversando, ele fez uso da mesma sofisma: «É um site .COM, não .GOV, então não é do governo …» Acabou de ser admitido que travata-se de um projeto .COM do governo.

Vix. Bush ben Bush e suas idiotas de confiança.

Todos os partidos parecem ter adotado este modelo aqui no Brasil, acho. Talvez os DEM mais do que os outros, mais me lembro de que a pemedebista defenestrada no «mensaão do DEM» a semana passada foi uma EuSouEu.com.

Seria um mundo mais agradável para o filólogo digital se todo mundo apresentava seu RG.

Ah, mais isso seria o trunfo do Grande Irmão sobre a minoria oprimida dos ACM-Marinhos III!

Depois, leio a estrutura do diretório de arquivos recolhido pelo robô.

E agora selecionamos Visualization > Radial (Prefuse Alpha) e bada bingue bada zabumba:

Pode mexer com os nós,, arrastando-os para lá e para cá, embora não dá ainda para acrescentar, aniotar é transformá-los, como no GUESS ou SocNetV — ou

dotty > badabing.dot > badabing.svg && inkscape badabing.svg

Salvemos o arquivo.

Anúncios