Relatório Técnico Interino: Robôs e Publicitários a Serem Domados

Padrão

Não tem outro jeito. A aranha e motor de pesquisa Nutch, como a geradora de índices Lucene, é indispensável ao meu projeto.

No momento, por exemplo, estou recolhendo dados sobre entidades de classe na ecologia digital do Instituto Millenium. Quero aprofundar nas camadas de organização em rede atrás a entidade milenária:

  1. Fundações norteamericanas
  2. O governo norteamericano
  3. Redes internacionais de institutos de pesquisa e partidos ideologicamente comprometidos com estas
  4. Entidades de classe e lobbies no Brasil
  5. A mídia brasileira

Meu robô estava trabalhando no SINCO ontem, por exemplo. Resultado parcial:

O quê tem a embaixada americana a ver com um sindicato de agências de publicidade? É cliente? A estrutura da rede não nos dirá. Preciso poder analizar o conteúdo dela.

Por isso, Nutch e Lucene são maravilhosos.

Só que há o problem de sempre com Java.

TOP é um comando que mostra o uso do processador por vários processos.

Aqui, mostra o Java utilizando 127%. Ué!

Uma gambiarra para esse problema é a função CPULIMIT.

sudo cpulimit -e java -l 30

Não deixa o processo java utilizar mais que 30% do processador. E uma vez que Google Chrome também é muito guloso,

sudo cpulimit -e chrome -l 20

Que saco! Me permite trabalhar, porém.

Eu estava lembrando ontem que nosso último embaixador ao Brasil, Clifford Sobel, era um gazilionário de e-comêrcio — seu Net2Phone acaba de entrar em um emprendimento conjunto com Cisco, ADIR — e campeão de levantar fundos para a campanha de Bush em 2000 e 2004.

Achei interessante que o e-varejo é também uma área de atuação principal do Endeavor, aquela exportadora de empreendedorismo Made in the USA liderada por Bronfman de Vivendi-Universal e Azcárraga de Televisa.

A primeira empresa de sucesso a surgir do iniciativo, entrando na NASDAQ em 1999, foi MercadoLibre-MercadoLivre.

Puta merda, limitando a utilização de java acaba de produzir o erro

java.io.IOException: java.io.IOException: error=12, Cannot allocate memory

Processo abortado.

Xingamentos fortíssimos concatenados, em inglês.

É o gênio da minha língua-mãe, a concatenação de xingamentos. Ai, seu adverbo adjetivo, adjetivo, adjetivo nome de uma claúsula adverbial, outra clausúla adverbial nome! Tem uma bela música. O jeito de juntar um nome com um gerundio produz belas frases. «Why you *-*ing, **-*ing son of a *-*ing, *-*ed, *-*ing, *-*ed-up * of a *ing *!»

Vou tentar com

cbrayton@macunaimachine:~/crawls$ cpulimit -e java -l 50

Até agora, tudo bem.

Está passando de SINCO.ORG.BR para USAID no Brasil e de lá para FENACON, SENAI e o Ministério de Desenvolvimento.

Acontece que você tem que configurar a bugiganga segundo a capacidade do sistema — o que não consta na documentação.

De interesse especial são os novo «pontos de presença virtual» do Departamento de Estado. Será que VIRTUAL.EMBAIXADA-AMERICANA.ORG.BR é um exemplo destes?

Será que nossa diplomacia 2.0 contrate agências locais para fazer a diplomaca pública — marketing — da marca registrada íu-és-hein? Suponho que não haveria nada contra uma vez que o patrocínio fosse divulgado.

Nos EUA, lobistas de paises estrangeiros tem que cadastrar-se, por exemplo, e o cadastro fica disponível ao público. O Brasil, eu consegui saber, não tem lobistas cadastrados no momento.

A questão me faz pensar naquele famoso número de Paris-Match com a reportagem especial sobre o Brasil — que de fato foi uma reportajabaganda, com o mesmo projeto gráfico do que a revista.

Foi quando Jean Manzon chefiava a redação da revista parisiense — Jean Manzon, herói do Padrâo Globo de Qualidade e cineasta do IPES.

Nota Para Tradutores

Nota para tradutores brasileiros: «propaganda» é um falso cognato em inglês.

Utilizem «advertising».

«Propaganda» é uma palavra feia. Lembra os nazistas.

Foi isso que Bernays, o sobrinho de Fredu, que trabalhava com propaganda durante a Segunda Guerra, reconheceu quando fundou a primeira entidade de classe de relaões públicas nos EuA na pós-guerra.

Foi essencialmente a mesma prática explicada no seu livro de 1928 — lido por Goebbels — só com um nome sem as associaçãoes negativas ganhas durante a guerra.

Twits do Itamaraty do Potomac

Acima: A diplomacia americana no Twitter.

Muitas embaixadas tem conta. A no Brasil, não.

O DipNote é o blog oficial do Itamarty gringo.

Tarefa: recolhe a rede dos seguidores e seguidos.