WHOIS do Dia: Nassif, Caçador de Fantasmas

Padrão

Nova e divertida: Mapeando o troll barra-pesada | Brasilianas.Org.

No Nassif 2.0, o Stanley Burburinho e o Brasiliano em Chefe vão atrás um «troll» que anda falando mal do jornalista Nassif no Twitter.

@pontoflutuante @luisnassif Daniel Rocha, no seu perfil você cita a rawsocket.org de IP 205.186.187.207. O whois entrega o seu endereço.

Entrega algúm endereço, é verdade, mas WHOIS não é a fonte de verdade que às vezes pensamos. Vamos aprofundar um pouco.

Repito: WHOIS é como perguntar a alguém, «quem é você?»

— Quem é você realmente, ô Bicho-Preguiça?

— Sou Andrew Warhull, cidadão orgulhoso das Ilhas Caimães. Tenho conta de Gmail, conta de Twitter, blog de Blogspot.com e comunidade de Ning. Vivo falando mal de Brayton, e portanto não posso ser ele.

Tá vendo? Acabo de mentir. Sou Brayton. Tá escrito lá, que o BP — sigla de Brayton-Paranhos, meu casamento entre dois hemisférios — é Brayton! C. Brayton!

Melhor perguntar o número do meu processo de permanência no Brasil, que acabo de receber por e-mail — com o aviso de que vai demorar até 18 meses mais. Xô!

Aparentemente há uma sindicância sobre corrupção na emissão de vistos dentro da MiniJus-SSP e a PF. Acho que algo ao respeito desse no jornal. A vida difícil de Tuma Júnior, né?

Tenho CPF também — sou dono de imóveis aqui e pago IPTU por carcacas– mais não, você não pode saber o número. Está louco? Esse país é um paraíso paraguayo de vigaristas!

Assim, o 205.186.187.207 não um CPF, é um condomínio com vários moradores.

Um exame com as ferramentas do bom e velho ROBTEX.COM confirma que o site é hospedado com MEDIATEMPLE.NET, uma fazenda de servidores nebulosa que eu já observei como o lar doce lar de vários sites de marketing clandestina e agências virtuais de propaganda com um domínio ponto bé ére.

É curioso e contraditório, o fato desse duende empregar um serviço de anonimato em escala industrial, NameSecure — de Herndon, estado de Virginia, terra de Olavo de Carvalho — é a mesma vez dar a impressão de transparência total a uma busca WHOIS.

É muito incoerente. Não faze sentido.

Meu site, por exemple, tem «anonimato transparente». Quer dizer que a busca WHOIS retorna, «eu sou um proxy e a informação que você procura está no WHOIS.LUNAR.COM», onde você tem que passar um teste de CAPTCHA para comprovar sua humanidade. Lá constam meu nome, endereço, e e-mail. É uma precaução elementária contra spam.

Uma vez que não tem site configurado no endereço agrora — «estamos atualizando o WordPress, o bando de dados, e tudo mais» — um bom primeiro passo é ver quais os sites que refirem-se a este, utilizando o Yahoo Site Explorer:

São blogs de tecnologia, na maioria, em inglês. Disse aqui que chegou a ser citado pelo GigaOm, blog do fundador de E-Bay, Pierre Omidyar. Eu até tinha um projeto de tradução hospedado na Rede Omidyar alguns anos atrás.

Aposto que esse cara é da Diaspora, provavelmente um estudante ou estagiário brasileiro nos EUA. Tenho, entregues por meus robôs, documentos de planejamento de partidos políticos que tratam-se da mobilização dessa comunidade de brasileiros no exterior, que aparentemente podem driblar a legislação eleitoral graças às brechas quanto à participação política «em foro público fechado ou aberto».

Entretanto, o MEDIATEMPLE.NET, fazenda de servidores da empresa, figura em pelo menos um outro caso que já estudamos:

Hospeda várias campanhas de propaganda virtual lusófona com que já cruzei, como, naquele caso, EFETIVIDADE.NET —  parte de uma cadeia de tolos fazendo propaganda clandestina que leva de volta a alguém com e-mail de MAC.COM.

Um traceroute desde os EUA mostra que o site do duende realmente mora no Culver City — o cu do mundo, para quem cresceu em Los Angeles, como eu.

O endereço dado para a empresa é uma facilidade de armazenagem alugada por mes, um «U-Store-It».

Media Temple, Inc.
8520 National Blvd.
Building A
Culver City, CA 90232
US

Também temos o fato dos tuites do moleque aparentemente virem do Vale do Silício, em Mountain View, bem ao lado da universidade Stanford e domicílio de Google — empresa criada por estudantes do Leland Stanford Junior Farm.

My eyes are dim I cannot see
I have not brought my specs with me …

Piada de gringo, vocês não entenderiam.

Também temos o contato dado no WHOIS, com domínio @uai.com.br.

Tem que ser empregado do serviço de anúncios classificados do Estado de Minas para ter esse e-mail, ou é como UOL e Terra, fornecem-nos para usuários?

Pode tratar-se de contratado da Imprensão.

O chefe sabe do que anda fazendo?

Os servidores dedicados do Estado de Minas também hospedam o Correio Braziliense virtual, aliás.

Vamos ver o que mais consigamos entender desta entidade virtual pontoflutuante — o termo vem de programação, refere-se a algo como um valor indeterminado, cabível a um crássico anônimo covarde.

Coisa de Moleque

Primeiro, tudo aqui é uma molecagem cansadíssima, desde o meme «ladrão chamando ladrão de ladrão» até a pista mambembe e quase-misterioso que dá, de que «não sou quem vocês pudessem achar».

Coisa de novato na militância de Anonymous.

O «troll barra-pesada», como o descreve Nassif, não é tão barra-pesada assim.

Espalha ataques mambembes e inverosimeis com um amadorismo quase tocante. Ah, a mocidade! Veja também

Se bem que Diogo Mainardi, como disse uma vez de si, seja um Paulo Francis pé-de-chinelo — a tragédia repetida como farsa — este moleque é um eco de um eco de um eco de Mainardi.

Acôlito do Templo de Mídia

Ora, a empresa MT Ventures se diz ser um grupo de quatro empresas

  1. Virb, um site de relacionamento
  2. Vantageous Advertising Network, uma rede de distribuição de propaganda digital
  3. REinvigorate, uma agência de métricas para propagandistas digitais
  4. Krop, um serviço de emprego e hospedagem de currículos para gente da área de propaganda digital

O servidor NS1.MEDIATEMPLE.NET hospeda o servidor virtual NS1.ARBITRAGECONSPIRACY.COM, entre outros:

Curiosamente, o site de Krop, dito uma empresa do grupo, não mora na fazenda de servidores do grupo Media Temple:

OrgName: Slicehost LLC
OrgID: SLICE
Address: 4579 Laclede Avenue #258
City: St. Louis
StateProv: MO
PostalCode: 63108
Country: US
NetRange: 173.45.224.0 - 173.45.255.255
CIDR: 173.45.224.0/19
OriginAS: AS12200
NetName: SLICE-STL-SH
NetHandle: NET-173-45-224-0-1
Parent: NET-173-0-0-0-0
NetType: Direct Allocation
NameServer: NS1.SLICEHOST.NET
NameServer: NS2.SLICEHOST.NET
Comment: http://www.slicehost.com
RegDate: 2008-10-13
Updated: 2008-10-13

O Valley Innovation Alliance, hospedado lá, é interessante, dado sua proximidade à Mecca de jornalismo de inovação e o INNOVATION.HOOVER.ORG.

Vamos ver.

Me desculpem, estou pensado em voz alta.

Agora começo viajando com diagramas bonitas.

Sou facilmente distráido. Onde é que eu estava?

Processando …

Ah, eu sei, vamos apanhar uma amostra da «ecologia digital» de twitter.com/pontoflutuante com SocNetV.

cd crawls
sh pajek.sh

Tudo bem.

cbrayton@macunaimachine:~/crawls$ gephi/bin/gephi*

Vamos ver.

Está na lista de seguidos pelo twitter.com/joseserra_ …

Hum.

Parece que a dilmabr repercutiu a nota de Nassif.

….

O robô não chegou a baixar a lista de segudores e seguidos do cara, tampouco os preferidos e listas.

Talvez eu deveria rodar SocNetV com alvo de twitter.com/pontoflutuante/followers.

O problema de sempre e inovar um filtro que evita baixando o Twitter inteiro, uma vez que cada usuário fica no mesmo nível — logo após a barra em twitter.com/VEJA –e cada página leva às páginas about e jobs e tudo mais.

Sem falar dos servidores distintos que lidam com imagens e outros componentes da página, como TWIMG.COM, em todas suas incarnações, de A1 a ZZ69, e AMAZONWS.COM, este um Banco Central de «Web services», que são os ingredientes de um «mashup», ou página dinámica fabricada de componentes de diversas fontes.

SocNetV não tem capacidade de filtrar, e portanto produz um belo de um retrato da estrutura básica de Twitter, sem alcançar o alvo.

Já sei que o Twitter está no iPhone, não preciso ser relembrado.

Pois eu mando Harvestman, acima. Demora.

Li uma dica sobre isso em ARCHIVE-IT.ORG, eu deveria voltar e reler. Podia-se fazer uma lista de todos os elementos da página indesejados em uma configuração específica para Twitter, tipo harvesttwitter.xml …

Mais é muito trabalho a gastar em um mero moleque, insultando um blogueiro de peso para provocar uma reação e assim ganhar o que passa para prestígio entre os chapéu-negros do submundo de SEO.

Para mim tem interesse técnico. Para o leitor esperando revelações e resultados, deve ser chato, eu sei. Ora, vocês não pagam meu salário, e portanto recebe o pato que paga.

Aqui ô: uma configuração que inovei está entrando direto no que interesse:

Lá vêm os velhos conhecidos Nassif, Burburino, Luiz Fireball …

Cá vem Diogo Mainardi, o primeiro laço na página do qual leva a uma política …

Dados crus recolhidos dentro de uns vinte minutos:

De Paulo Coelho e Paul McCartney ao Zumbidor-Zumbi:

Sabe uma coisa? Os arquivos /favorites/12345678.rss — os preferidos do usuário com aquele número — podiam ser úteis.

Pessoalmente, eu não presto mais atenção no Twitter, senão por fins de pesquisa.

É muito barulho dentro da minha cabeça. Tenho o suficiente lendo, com cuidado, o DCI, Valor, Relatório Reservado, e artigos de interesse escolhidos de outros veículos de economia e negócios.

Diagramas Bonitas à Mais

Dentro do análise já feito sobre dados incompletos, entretanto, os vizinhos de RAWSOCKET.ORG.

Vai seguir falameufilho.

Podia até ser o mesmo cara.

Uma perspectiva sobre a Dilmasfera nessa hora.

Bebel Gilberto!

Ah, seu eu tivesse 30 anos de novo e a Bele fosse minha amiga de Twitter … sem saber da existência do amor da minha vida, que vale dez Bebeis, é claro …

Amigos de amigos do pontoflutuante.

Mais uma.

Anúncios