Nota Técnica: Bom Dia, Estilo Neocon

Padrão

Deixei de mexer com a máquina ontem anoite um pouco antes do episódio de House M.D. no canal Universal — 43 na NET São Paulo.

Realmente gosto do show. Ontem, teve aquela atriz de Sex and the City — não enche, um hom tem que assistir o programa da sua mulher de ve em quando — como paciente sofrendo do síndrome Munchausen — uma compulsão a provocar doenças forjadas, o Barão Munchausen sendo um mentiroso famoso literário.

Já notou? O canal tem uma propaganda institucional que mostra personagens de todos as séries da subsidiária de NBC-Universal — antiga Vivendi-Universal — utilizando Twitter.

Além disso, repete sem fim aquele anúncio novo de McDonalds em cada intervalo. O anúncio é simples, bem feito e diveritdo — hambúrgueres interncionais para comemorar a Copa — mas repetido com tanta frequência, chega a chateiar.

Gosto do hambúrguer gringo. Como é mesmo? «Hamburger, … e molho barbecue!» Esqueci-me, mas me lembrou daquela música, «Samba do Approach». O sotaque é perfeito.

O WIRE estava trabalhando, entretanto, para completar vinte rodadas de um censo do mundo virtual dos neocons norteamericanos, o ponto de partida dessa série.

Uma lembrancinha: O Nassif falou do «estilo neocon» ná série sobre como a Veja é ruim por caralho. Eu achava isso muito sucinto e preciso. Projeto: um glossário do «estilo neocon» para Índio Tupi ver, nos moldes de SourceWatch.org.

No sentido técnico, tanto faz. Na iteração ∞(∞-1) do robô, cada rede é ligada a cada outra — passada, presente e futura — com densidade=1.

Durante as últimas doze horas, o WIRE, do meu novo amigo o admirável internauta chileno Chato, completou oito rodadas e está trabalando na nona agora, como se mostra acima.

Computação Pesada Sobre Assuntos Pífios

Entretanto, eu fiquei meio obceçado com o problema de reconstruir os seguidores e seguidos de uma conta individual de Twitter — no caso, o pontoflutuante, o twit encarado por Nassif e amigos ontem.

O interessante do caso foi captar uma tática de quebrar o efeito «câmara de eco». Respondendo ao pontoflutuante, luisnassif possibilita a gravação de uma conversa em vez do circúito fechado de sempre.

Trata-se da aplicação do circúito crítico, conhecido pela RAND Corporation como o Modelo L.I.A.R.

Crio uma configuração para Harvestman — robô menor que me ajuda no laboratório sem pedir muitos recursos — que parece fazer o serviço.

Só que continua retornando o erro

cbrayton@macunaimachine:~/crawls/NETSWORKING$Error escrevendo o diretório caminho/trilha/picada/twitter/pontoflutuante/followers

Sou idiota.

A Culpa é do Programador!

Ou pode ser que a culpa é do programador. A documentação é meio mambembe.

Por exemplo, tem variáveis que não sei se serem booleanas ou quantidadades sem ponto flutuante — valores íntegros, quer dizer.

Ao pontoflutuante lhe falta integridade, hein? Hein?

Mais deixo a questão para não taxar a paciência do leitor.

O tempo é dinheiro.

Só que o produto final, em comparação ao produto da primeira tentativa, é

Anota cada integrante do grupo pontoflutuante/followers, só que não escreve-os no diretório followers, como pretendi. Quero a história

«pontoflutuante é seguido por Fulano, Sicrano, Beltrano-SC e JuvenDemo-RS, que em torno também seguem …»

O que acho que tenho aqui é a historia,

«… a nota enéssima desse tal de ponto é repercutida pelo seguidor marcioguilherme, que também faz menção do diogomainardi …»

Tem nerd lá no mundo rindo de mim, eu sei.

Ride, nerd, ride.

E a configuração seguinte?

Ou podia ser

/pontoflutuante/*

?

Há um termo grego para o gênero literário, também um forma de ironia estilística, de escrever no grande estilo sobre assuntos pífios.

Não consigo me lembrar dele no momento, porém.

Sempre gosto de terminar com um pórem. O robô ainda está rodando.

Algografia, mas não é esteganografia, meu primeiro palpite.

Mas que é isso companheiro?

É proibido proibir!

Surgiu após a instalação do tema ufanista-hexta no Google Chrome.

Estou apostando que os EUA não chegarão a enfrentar os filhotes de Pelé, que configurava um conflito para mim. Gostei quando as meninas derrotaram a poderosa China.