Odi et Amo: Um Exercício no Análise de Redes «2-mode»

Padrão

odi et amo. quare id faciam, fortasse requiris?
nescio …

Como eu disse ontem, um admirável internauta nova descoberto recentemente é Dextra, projeto colaborativo que oferece «traduções diárias do melhor da imprensa de direita em línga inglesa».

Do ponto de vista técnico, a rede será útil como um exerício no análise de redes chamadas de «2-mode».

Ou seja, redes nas quais a ligação entre dois nós tem valor ou sentido, alem de direção — A paga, ou recebe de, ou ama, ou odeia B, em vez de A se refere a B.

Esta qualidade não é percebida pela «aranha», que só informa que em site A tem ligação apontando site B.

wget -rH veradextra.blogspot.com

Nesse caso, temos uma manfiestação pelos editores do site — Larry Martins, Leonardo Arnheim, «Guilherme», Keith Richard (o cara dos Rolling Stones é Richards com s terminal)  — sobre as interentidades que «acompanham» ou «repudiam».

Não consigo entender porque repudiariam o ACORN, organização comunitária apartidária. Não estão tentando cadastrar eleitores aqui no Brasil, aliás.

No livro sobre SNA — análise de redes sociais — dos idealizadores de Pajek, a ferramenta de SNA, o exemplo dado é um mosteiro onde se vêm formando três grupos de monges, os integrantes dos quais não gostam de integrantes dos outros grupos mas se gostam entre si.

Se bem que «acompanhar» — pelo fim de traduzir o melhor da imprensa de direita — e «repudiar» não são polos contrários — eu acompanho muitas informações que nem odeio nem amo — seria interessante tentar fazer uma rede desse tipo da lista de Dextra.

Uma maneira muito simples de fazer isso seria simplesmente agrupar os «odiados» e «acompanhados» dentro de «block model» que eu fiz com yEd agora mesmo — acima.

Parece que o Dextra fornece conteúdo lusofonicado para ser repercutido na amplificadora de MSM.

Minha tarefa de casa, então, será como avaliar essa divisão maniqueísta entre conteúdo de bom e mal gustibus.

Talvez seria interessante comparar essa divisão com a rede de relações entre os atores no mundo real.

Não haverá repudiados por este guardião de portal que não repudiam, por sua vez, alguns dos acompanhados? O que têm contra o Financial Times e CNN, por exemplo?

Repudiam o Reuters  — apesar de não saber soletrá-lo — Globo, McClatchy e a Folha de S. Paulo, mais aprovam Bloomberg. Que nem eu. Quer dizer, eu confio mais no Bloomberg do que nos outros veículos, apesar de acompanhar todos.

Reprovam o DEM-PFL, curiosamente, uma vez que várias redes deste partido recomendam muitas das mesmas fontes do estilo neocon.

Chegam a chamar o consultor político e grande chefão do estilo neocon Dick Morris de «Dick Norris».

Talvez estavam pensando em Chuck Norris, o campeão de karate virado ator de filmes B.

Deixa O Bicho pensar.

Entretanto, vamos recolher dados sobre o site e construir um perfil dos seus autores e da sua autuação dentro do mundo estranho de Olavo de Carvalho da Caixão.

Odeiam o Washington Post mais adoram o Washington Times, aquilo financiado pelo Reverendo Moon.

Primeiro, os autores do blog são todos covardanônimos de vários graus.

No novo blog deles, no WordPress, a dupla acompanho-repudio vira páginas de recursos revolucionários-direitistas. Sugiro o livro-e Cíbermarx para a página de fontes revolucionárias. Em vez de veículos da grande mídia, agrega rádios ditas revolucionárias ou reacionárias.

O blog original, de Blogspot.com, tem 2.000 citaçãoes, segundo Yahoo Site Explorer. Dentro dos primeiros 1.000 citações, 99% são de Mídia sem Máscara.

Em fim, parece que o site fosse projetado para explorar uma percebida falta — fala-se de «structural holes» — de um corretor-representante que ligaria o mundo neocon de lá e o conservadorismo de cá, para Índio Not Tupy ler.

Não parece ter tido muito sucesso.

Aqui, o Norm ocupa o que seria um curto-circúito no fluxode comunicação se não fosse naquela posição. Ele controle a versaõ apresentado a ambos os lados sobre o que está sendo dito e pensando no outro lado.

Domingo, Carlos e Eduardo dependem completamente no Alejandro para informações, por exemplo, assim como Frank só sabe das coisas por meio de Gill. Falto um circúito crítico que daria aos atores uma visão do fluxo de informações completa e abrangente. Tudo depende da boa vontade de Norm, que aliaś é sujeito aos erros e malentendimentos.

Próximos Passos

Outro caso de análise rede «2-core» pode ser o análise de diretorias entrecruzadas, ou seja, ou estudo da relação «Fulano integra o conselho de Sicrano S/A, Beltrano S/A e a Fundação Vergulino Ferreira», com o análise de cruzamento indicando possível coesão entre firmas.

O exemplo dado é trustes escocese do século XIX.

O objetivo geral será poder identificar corretores-pontes, coordenadores, e outros posicionamentos estratégicos em rede que seriam institucionais e não apenas pessoais ou pontuais.

Eu tenho aqui vários dados sobre grandes grupos de propaganda, além de dados sobre a IAA, a Associação Internacional de Propaganda. Eu pudesse brincar um pouco com estes dadóides.