O Partidão É Nós(so Osso): NYSE:NEWS

Padrão

Entretanto, no Império Angloamericano:

Eu vou dar um resumo, por causa da preguiça que sinto hoje.

O conglomerado de mídia NEWS Corp. — NYSE:NEWS — contribuiu $1 milhão ao U.S. Chamber of Commerce, segundo uma fonte dentro da empresa disse ao folhetim digital Politico.

Também deu $1 milhão ao Republican Governors Association, associação de gobernadores estaduais do GOP — o grande e velho Partidão.

A rede de televisão recusou-se a comentar o possível envolvimento do seu diretor executivo, Roger Ailes — anteriormente um consultor político ao GOP.

Portavozes da rede FOX comentam apenas que apoiam as políticas «pro-negócios» do GOP e o USCC.

O problema de sempre é a confusão entre negócios em geral e os negócios de Rupert Murdoch.

Caso seu negócio seja, por exemplo, a venda de microprocessadores AMD ou de outra marca no Brasil, está ferrado.

Tentei recentemente achar uma máquina AMD 64-bit no FNAC, Casas Bahia, e Extra. Não consegui.

Outras empresas donas de redes de TV norteamericanas como Disney-ABC e General Electric-NBC tem histórico de dividir as apostas entre os dois partidos, o autor destaca. Até agora, o NEWS seguia o mesmo padrão, até apoiando o Novo Trabalhismo de Inglaterra nos jornais que tem naquele país.

Essa coluna fica meia requentada, porém, uma vez que têm, teve e sempre terá outras empresas de mídia que não dividem as apostas, como você pode conferir facilmente no OPENSECRETS.ORG.

As doações costumam ser distribuídas por um labirinto de granadutos envolvendo PACs — comitês de ação política — entidades de classe, filantropias, e executivos como individuais. Portanto, as $1 milhão dessa Garganta Profunda não passa de um factóide.

Comparando as doações de vários barões de mídia, finança, e alta tecnologia é um exercicio não-trivial na leitura cruzada de mares de dados colhidos de organizações criadas para impedir a transparência o quanto possível dentro da lei.

O que desperta uma preocupação mais geral é o aparelhamento do USCC dentro do governo, podemos dizer.

O CIPE, por exemplo — Center for Intenational Private Enterprise, um dos quatro braços do NED — tem diretorias entrecruzadas tanto com o USCC como com General Electric, Facebook — juro! — a fundação Heritage, firmas de lobby, fundos de investimento de risco, e tudo mais. Brincando com dinheiro do contribuinte.

Deveria haver alguns representantes do contribuinte no conselho, no mínimo.

Presidindo o conselho é o diretor geral da fundação Robertson — estabelecido por um barão do capital de risco, dono do maior «hedge fund» no mundo — com a missão de promover fé religiosa, ambientalismo, educação e pesquisa médica. Parece muito afim do plano de nosso prefeito, Michael Bloomberg, pela criação de parcerias pública-privadas na educação — algo que os sindicatos odeiam. Eu estou aguardando resultados, apesar de ter dúvidas.

Em agosto desse ano, Robertson, Bill Gates, e Warren Buffet, entre outros anunciaram um “pacto moral” segundo o qual ele e outros dos 500 mais de Forbes doarão a metade dos seus bens a causas filantrópicas.

Ainda assim, por causa da legislação que criou o NED — agência exportadora de democracia e “livre comércio” financiada pelo contribuinte — o AmCham, assim como o AFL-CIO, passaram a ter laços promíscuos com este GONGO — a sigla em inglês daquele paradoxo semântico, a organização não-governamental governamental.

O NED é um GONGO no sentido de pagar os salários dos funcionários com dinheiro do contribuinte e aparelhar o fundo com antigos servidores de USAID, State e outra agências federais.

Quer dizer, tem organizações do setor privado responsáveis por gastos de dinheiro público.

Deixa o setor privado doar o dinheiro utilizado para avançar seus próprios interesses, sempre digo eu.

A noção de que o iPhone, iMac, iPod, e iPad e a proteção da propriedade intelectual de grandes empresas de TI são “estratégicos” para manter a liderança tecnológica dos EUA — e portanto deve ser promovida pela diplomacia pública do páis, liderada pela mulher que construiu a franquia internacional de MTV — remete à mentalidade do zaibatsu e o corporativismo de Mussolini.

Tanto o USCC e o Business Software Alliance — leia-se Microsoft-Intel — são representados, aliás pela firma de relações públicas e lobby Adfero, que mantém um site noticioso sobre a indústria de lobby editada pelo dirigente de operações digitais do Instituto Cato.

Vocês brasileiros não jogam «squash«, mais podem ter certeza que esses caras observam esse rito — três vezes por semana.

Et cetera ad nauseam. Não vou prolongar o relato hoje.

Fato interessante: oficialmente, o CIPE não tem parceiros locais no Brasil. Agora, oficiosamente …

Eu apenas quis dizer que, tal como era antigamente o caso no CPR, a Corporation for Public Broadcastion — responsável pelas emissoras públicas NPR e PBS — deveria haver um política de diretores independentes no conselho administrativo. Em vez disso, durante os anos de Bush ibn Bush, vimos o diretor de propaganda no estrangeiro — Rádio Martí, Rádio Sawa, propaganda clandestina no Iraque, toda aquela merda — trocar empregos para virar diretor do CPR.