A Parceiria GIFE-RedEamerica | Investidores Sociais Quase Como se Não Fossem Governamentais

Padrão

Do relatório da ABONG sobre fontes privadas de financiamento para ONGs brasileiros:

Parece, entretanto, que as ONGs brasileiras, assim como a sociedade de forma geral, ainda pouco conhecem sobre as possibilidades e limites desse universo de organizações que recentemente se identificam como investidores sociais privados, organizados através do Grupo de Institutos, Fundações e Empresas (Gife).

Poucos sabem em que áreas e com que estratégias essas instituições vêm atuado, o que representa seu investimento em relação aos excedentes gerados por suas mantenedoras atuantes no mercado, quais as posições em disputa dentro do próprio campo, os conflitos e inovações que o movimentam.

Tudo bem, vamos aprender mais sobre o assunto.

O grupo GIFE divulgou um relatório annual em 2009 que detalhe as contas, identifica as afiliadas, e analisa a fonte e montante de recursos detidos, recebidos e gastos — embora não detalha os montantes doados por determinado doador.

Gastou R$2 bilhões em 2009 entre gastos de empresas e os gastos de fundações filantrópicas — muitas dessa fundaçãoes das mesmas empresas doadoras.

Pode ser que a dois-terços do dinheiro vem de fundaçãoes, mais a grande parte das fundaçãoes — dois-terços — são fundações empresariais.

E quantas são “comunitárias” ou “independentes”?

Em junho de 2009,

o GIFE | Grupo de Institutos, Fundações e Empresas,e a RedEAmérica | Rede Interamericana de Fundações e Ações Empresariais para o Desenvolvimento de Base, anunciaram uma importante parceria com objetivo de unir esforços pelo reconhecimento entre seus associados em comum para fomentar e estruturar cada vez mais projetos que visam o desenvolvimento de base.

O Bloco Brasil do RedEamerica:

O desafio agora das duas instituições é dialogar sobre os conceitos de desenvolvimento de base, local e comunitário e atuar conjuntamente com seus 9 primeiros associados por meio da Aliança: O Bloco Brasil da RedEAmérica, que é composto pelas empresas:

  1. Fundação ArcelorMittal Acesita,
  2. Instituto Arcor Brasil,
  3. Instituto Camargo Corrêa,
  4. ICE  – Instituto Cidadania Empresarial,
  5. Instituto Hedging-Griffo,
  6. Instituto Holcim,
  7. Instituto Indusval Multistock de Sustentabilidade,
  8. Fundação Odebrecht
  9. Fundação Otacílio Coser e
  10. mais outras empresas associadas ao GIFE que tenham interesse também em fazer parte da Aliança.

Os associados do grupo GIFE tendem a ser as fundações filantrópicos de multinacionais e titãs nacionais, tal como o eternamente benévola Fundação Roberto Marinho.

Do RedEamericana precisamos saber mais.

Dá para saber, em um primeiro momento, que “Nuestros proyectos se han financiado con recursos provenientes de los siguientes organismos”

O GIFE começou

em setembro de 2002, quando um grupo de organizações empresariais latinoamericanas, que trabalham com desenvolvimento de base, decidiu potencializar seus esforços com o apoio da Inter-American Foundation (IAF)

IAF.GOV é uma agência do governo estadounidense — e portanto está gastando meu dólar de contribuinte. Me desculpe, mas vocês têm ricaços suficientes para cuidar do seu povo.

Desse instituto, pode-se saber tudo, pelo mecanismo do FOIA — a legislacao sobre o direito a informacoes sobre agencias do governo — menos

Exemption One: Records which are specifically authorized under criteria established by an Executive Order to be kept secret in interest of national defense or foreign policy and are in fact properly classified pursuant to such Executive Order.

Quer dizer, menos quando o pedido seja para arquivos sigilosos ligados a segurança nacional.

Vou tentar saber o numero de documentos, pelo menos, classificados assim em conexão com o Instituto.

Defendeu o ato de biopirataria que deixou um botanista norteamericana tirar patente sobre os ingredientes ativos da ayahuasca, segundo SourceWatch.

Em 1986, Loren Miller, diretor-executivo da International Plant Medicine Corporation de California, furtou de uma comunidade indígena de Ecuador, sem permissão, uma amostra de uma vinha cultivada no bacio Amazônico desde os tempos pré-colombianos.

Miller conseguiu um patente sobre essa vinha, Banisteriopsis caapi, também conhecida como Ayahuasca e Yage. Seguindo a legislação dos EUA, recebeu o patente sem cultivar ou melhorar a espécie de qualquer maneira..

A Inter-American Foundation, que previamente tinha doada USD1 milhaõ aos povos indígenos, chamou o processo contra este furto um ataque contra um cidadão norteamericano, e reivindicava, sob ameaça de deixar de cortar o dinheiro, o arquivamento do processo. A COICA recusou, e a IAF deixou de financiá-la.

O patente foi cancelado pelo USPTO em 1999.

Mensagem implícita: deixem-nos roubar seu patrimônio ecológico e recibam esmolas em retorno.

O embaixador atual dos EUA no Brasil, Thomas Shannon, era diretor do Instituto em 2006.

Prefiro ver nossos ricaçõs gringos, digamos, apoiando municípios beirando a falência que estão ponderando a legalização do jogo para substituir o base tributário dizimado.

Vou organizar as minhas anotações quando der tempo.

Diz aqui que gastos com comunicações foram 2% do orçamento 2008-9.

Gastos com pessoal, 46%.

Gastos com inciativas,  32%.

Folha de pagamento: $R1.8 mlihões.

Tarefa: compare as propostas de lei pela regulamentação do terceiro setor de ABONG e GIFE.

Começo uma “aranhação” focada no nexo EUA-IAF-GIFE-REDEAMERICA.

RETS tem algum tipo de laço com IAF.GOV.

´É um anúncio de uma solicitação de propostas pela agência governamental.

Anuncia o patrocínio do IAF à pesquisa IBOPE-ETHOS «Perfil Social, Racial e de Gênero das 500 Maiores Empresas do Brasil e Suas Ações Afirmativas»

A pesquisa Perfil Social, Racial e de Gênero das 500 Maiores Empresas do Brasil e Suas Ações Afirmativas é realizada, desde 2001, pelo Instituto Ethos e pelo Ibope Inteligência, em parceria com a Fundação Getúlio Vargas de São Paulo (FGV-SP), o Fundo de Desenvolvimento das Nações Unidas para a Mulher (Unifem), o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e a Organização Internacional do Trabalho (OIT). A edição de 2010 teve o patrocínio do Instituto Unibanco e da Phillips do Brasil e apoio institucional da Inter American Foundation (IAF) e da Atletas pela Cidadania.

Pode dizer-se que serve como veículo de relações públicas da IAF, mas de baixa intensidade.