A ONG-NGO da Juventude | IYF de Novo

Padrão

Já conhecemos o International Youth Foundation como um projeto do Association for Youth Movements, presidido pelo presidente da empresa educacional Sylvan Laureate em parceria com General Electric, Nokia, e outros.

Focavamos um projeto de “empreendedorismo social” desenvolvido dentro da escola de propaganda da Faculdade Anhembi Morumbi — da Sylvan — com verbas dos governos municipais e estaduais mistas com dinheiro privado. O caso está mais ou menos resumido na nota de novembro desse blog,

A IYF também consta entre os maiores doadores do Fundo Abrinq, uma das ONGs orientadas à juventude mais atuantes do Brasil.

A fundação se diz pioneira na montagem de PPPs — parcerias pública-privada — e que foi premiada pela USAID em 2006 por isso.

Por duas décadas, a IYF tme especializada na construção de parcerias multikaterais entre agências governamentais, corporações, filantropias, e organizações locais em apoio ao desenvolvimento saudável da juventude. Como pioneiro na área de PPs, a IYF foi premiada pela USAID em 2006 por conta do program entra21 desenvolvido na América Latina.

Desenvolve em parceria com a USAID o programa Youth Work — Trabalho Juventude, se quiser — desde 2008

E por aí andamos pelo jardim de caminhos que se bifurcam.

Vale anotar as parceirias institucionais da Abrinq com grupos de mídia.

O quê queremos fazer?

Queremos saber o tipo de modelo utilizado pelo desenvolvimento de projetos internacionais de desenvolvimento — as redes de fundos de capital de risco investindo em redes de redes de incubadoras de ONGs.

Depois queremos poder raciocinar sobre a natureza dos laços ás vezes opacos da «organização enredada» ou «organização-rede» composta destes “mil pontos de luz,” como detectamos estes com técnicas automatizadas pela exploração de redes.

Concretamente, queremos pegar o diagrama seguinte,

e torná-lo no seguinte:

A ONG Civicus se refere ao IAF — agência do governo norteamericano — porque recebe, ou já recebeu apoio, ou seja, dinheiro, deste, entre vários outros doadores mulitalterais como o Banco Mundial, a ONU, e aquela turma toda.

O site da IAF é dificil de navegar, mas podemos dar uma olhada aos laços entrando — backlinks — registrados por Yahoo Site Explorer.

Não temos um relatório e prestação de contas da ONG sudafricana desde 2007, entetnato — quando apoiava o projeto Roda Viva aqui no Brasil

Este projeto, aliás, fica hospedado em servidores do RITS em uma infraestrutura aparentemente comparilhada com a APC — Association for Progressive Communications — norteamericana.

O contato administrativo é alguém con endereço do domínio TIWA — «Serviço para a sociedade civil mantido pelo Instituto NUPEF». Este último recebe apoios da Fundação Ford e a mesma APC — que parece ser um interlocutor sistemático com o terceiro setor brasileiro.

A Civicus mantém operações em Joanesburgo e Washington, D.C.

O que eu fiz foi semear uma exploração da rede começando de três pontos de partida

  1. IAF.GOV
  2. SITE.GIFE.ORG.BR
  3. REDEAMERICA.ORG

Por quê? Porque um relatório da ABONG apontou a importância de (2) e (3), e porque (3) é apoiado pelo (1).

Também sugere a presença de dois fios distinto no campo de investimento social privado e responsabilidade social, e eu fiquei curiosos se eu pudesse dar nomes a esses bois.

… o levantamento feito pela Abong,em 2009, a fim de caracterizar a relação de suas associadas com o setor privado, apontou, entre muitas questões, uma grande confusão sobre a forma como as organizações filiadas entendem a ação social das empresas. De modo geral, as ONGs entrevistadas não souberam distinguir com exatidão o conceito de responsabilidade social empresarial (RSE)do conceito de investimento social privado (ISP).

…. este texto apresenta as diferenças entre eles, de acordo com seusidealizadores no Brasil – o Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social e o Grupo de Institutos, Fundações e Empresas (Gife).

RSE está para o Instituto Ethos, assim como ISP está para o Gife. Essas duas organizações empresariais, ambas sem finalidade lucrativa, surgiram na década de 1990, época em que se disseminou noBrasil a ideia do terceiro setor. O Gife foi criado em 1995, e o Ethosse formou três anos depois. Hoje, o primeiro reúne 112 filiados, e o segundo tem uma carteira de associados com 1.396 empresas.

E o resultado?

Estou meio que passeando na praça com os cachorros hoje, seguindo o Corisco de lá pra cá enquanto deixa seus tuites caninos na Internet de cachorros — ou seja, em postes e árvores.

Fiquei cruzando as redes «egocéntricas» de vários dos atores que apareceram nesse palco e botando os resultados no liquidificador.

Um exercício divertido e interessante consiste na transformação da rede numa hierarquia — ou pelo menos como se fosse uma hierarquia.

Agora, então, o Synergos é uma organização guarda-chuva financiada pelo governo, o Bill Gates, e as Atlantic Philanthropies — um exemplar de boa governança, esta, aliás, papo sério — que tem alguma relação com GIFE.

… processando …

Meio que perdi o fio aqui no meio de dados espalhados pela mesa pelo gato.

A lição de casa hoje talvez seria este: se bem que diz-se que uma rede é um organograma virado noventa graus, pode ser interessante virar a rede 270 graus de volta para ver o que apareça.

O interlocutor mais constante com o IAF no Brasil parece ser o Instituto Ethos.

Anúncios