Sin Mordazas | Sem Responsibilidades

Padrão

Un Mundo Sin Mordaza é nosso admirável internauta novo do dia.

Nosso Projeto AIN, vocês lembrarão, é uma série de casos individuais visando testar ferramentas da ARS Magna — a analise de redes  sociais — na apuração de casos de propaganda clandestina.

Portanto, o tema específico do AIN — nesse caso, “Tio Hugo ameaça a liberdade de expressão,” um argumento que nao podia ser mais banalizado hoje em dia — fica menos importante que questões de governança, transparência e responsibilidade.

Hospedado no nótorio latífundo de servidores ultranebulosos GoDaddy, e cadastrado anonimamente por procuração com DOMAINCONTROL.COM e Wild West Domains, o Sin Mordaza é uma fantasma. No análise final, revela-se ser uma campanha de MOVEMENTS.ORG, a Aliança para Movimentos de Juventude.

Como se sabe disso?

Eu gosto recorrer à caixa de ferramentas de ROBTEX.COM, embora haver outras que amigos recomendam.

O URL do sítio é 97.74.144.127. O ROBTEX informa, no perfil geral, que mora num servidor nos EUA.

Faz parte de um bloco de URLs reservados pela operadora AS26496. Ou seja, o GoDaddy.

Junto com esta ofuscação técnica de autoria, os Sin Mordazas tampouco identificam os autores e editores do projeto por nome — o contato oficial é algo como sinmordazas@gmail.com, o equivalente de manter seu escritório em um orelhão ou banheiro público — e desconversam sobre outros aspectos de autoria.

Por exemplo,

¿Quién los financia?

Esta actividad prácticamente no tiene costos gracias a la tecnología. A través de facebook se está coordinando toda la actividad. Contamos con la voluntad de la gente de participar y en realidad con lo único que tendrían que colaborar es con una mordaza roja que pueden conseguir en sus casas.

Eu, hein? Este blog também não me custasse nada se eu não tivesse que digitar as palavras que entram nas notas. Estão apelando ao mito do almoço grátis.

Parecem reconhecer, no entanto, e antecipar a crítica de que uma entidade não-venezolano está fazendo campana política desde o exterior.

¿Porqué defienden una causa venezolana?

Porque consideramos que ningún pueblo es libre si otro está oprimido. Además, hoy son los venezolanos los que sufren violaciones a su libertad de expresión pero mañana podría ser cualquiera de nosotros.

É um belo lugar comuníssimo — atribuido quase unanimamente ao autor mais prolifico da história, Anônimo — que nem justifica nem explica nada.

Quando do primeiro ponto, entretanto, uma ova e oras bolas, como já disse.

O sítio do grupo é um síntese muito bem feito de várias tecnologiais “sociais”, obviamente projetado por pelo menos um profissional talentoso.

Após inspecionar tantos casos de campanhas confirmadamente montadas e promovidas por profissionais de propaganda nas “redes sociais,” acho que sou capaz de reconhecé-las quando vejo-as, pelas caracteristicas técnicas e pela estratégia implícita na configuração e discurso da campanha.

Olha bem, essa tecnologia não se programa a sí mesma automagicamente. Precisa de mão-de-obra altamente capacitada. Talvez se se alegasse a paixão de algum voluntário talentoso, mas ainda assim, alguém está pagando a conta com bens e serviços valiosos, seja em dinheiro vivo seja por meio de uma permuta.

Se nosso voluntário quissesse, por exemplo, podia tirar o valor dos serviços doados do imposto de renda, caso a organização fosse habilitada por este fin pelo IRS. Em efeito, o governo seria reembolsando ele por um serviço de interesse público.

Sobre a Sin Mordazas, devido à ofuscação sistematica de autoria, não podemos saber se este princípio aplica-se ou não, e portanto, a afirmação não pode ser confirmada. Existe numa zona cinza de medo, incerteza e dúvidas.

Agora, quando do elemento técnico de nosso Projeto AIN, seria interessante fazer uma lista das tecnologias e APIs utilizadas na construção do site.

Um elemento que soltou aos meu olhos, por exemplo, foi o uso de um dispositivo de mapeamento e geolocalização desenvolvido pelo projeto USAHIDI — subsidiado em parte pelo governo estadounidense como parte da sua grande iniciativa de desenvolver uma “caixa de ferramentas” pelo desenvolvimento de mídias livres.

Foi supostamente desenvolvido por uma ONG queniano, mas uma olhada na diretoria do projeto apresenta o que parece a foto oficial da seleção de Alemanha. Muitos mais muitos caras branquelas — a grande maioria, aliás, não-quenianas.

Cada vez mais estou vendo software social cujo desenvolvimento fica subisidiado por este setor de democracia para exportação, destinada pela montagem de uma badalada NGO In A Box.

A implicação de que uma ONG consiste somente no software preciso para montar uma presença — sem tem quer registar o empreendimento e ser reconhecida como uma pessoa jurídica — é ridícula. O mundo não funciona assim.

Mas é assim que argumentaram o pessoal do instituto de pesquisa de Olavo de Carvalho recentemente, respondendo uma pergunta minha sobre porque, se for um instituto sem fins lucrativos, não está cadastrado como tal e não divulga o formulário 990 — relatório obrigatório para entidades que recebe fundos do Estado ou do público.

De fato, não divulga informação alguma sobre seu modo jurídico de existir.

Isto é desconversa para boi dormir.

Uma organização não existe juridicamente até ser reconhecida pelo estado — aqui, pela Junta Comercial, lá pelo Secretŕio de Estado estadual, que cadastra corporações.. S alguns deste palestrantes com títulos grandiosos recebem salários, o Leão tem que saber.

Então, ou o Instituto Inter-Americano é uma ficção ou existe juridicamente de outro modo que não quer divulgar.

Se eu tivesse que apostar, diria que não passa do mesmo tipo de «organização» que o Bicho-Preguiça S/A– nome de um jornal imaginário sem existência jurídica a não ser a identidade do autor, uma pessoa física com CPF e tudo — mais o RNE ainda não. Puxa, demora. .

O IAI fala muito de catedras e diretores com títulos bombásticos — meu preferido é o Catedra pela Filosofia de Ciência e o Monoteismo Moral Global — mas sem materialidade.

Eu podia me declarar Professor de Memeologia Estrutural do Instituto Bicho-Preguiça e a afirmação teria o mesmo peso jurídico — nenhum.

Camarada Wandora Investiga

Agora, assim que o movimento Sin Mordazas se diz um movimento espontâneo e emergente no Facebook, podemos fazer um primeiro teste de campo com uma nova ferramenta, a Wandora.

Esta dará conta do mundo pequeno do projeto dentro — nesse caso – dois graus de separação.

Aqui, me “eu” no Livro de Caras Quais Queres, por exemplo.

Rodando.

Resultados e uma tentativa de interpretação dos dados após a consulta com a doutora marcada para hoje.

O resultado de seguir o laço “contato” do sítio de Sin Mordazas sugere que a entidade inexiste.

Continuação | Facebook e o LSD-MSM

O perfil básico da rede desse Sin Mordazas apresenta um tecido denso de laços recíprocos entre a página de Facebook e um LSD — latifúndio de samizdat digital — que identifica-se com o projeto pela inclusão da sigla UMSM dentro do nome do blog — tal como OPINIONUMSM, ARCHIVOSUMSM, VALORESUMSM, CAMPANASUMSM, EDITORIALUMSM, NOTICIASUMSM, e muitos outros, todos do BLOGSPOT.

Também fazendo parte dessa nuvem de interentidades, apresentando uma certa coerência semántica e afinidade ideológica

  1. http://www.argentinasinmordaza.com
  2. http://www.unmundosinmordaza.org
  3. sinmordazaorg.blogspot.com
  4. desdecuba.com
  5. futuropresente.com.ve — também presente na lista de usuários associados de Facebook dentre do um grau de separação

Não deve surprender que existe um grau significativo entre integrantes de grupos acompanhados pelos Mordazes e o Mordazes mesmos.

dif

A extração feita pela Wandora confirma: fora os laços internos ao Facebook — usuário 1 gostando da nota de usuário 69 gostando de ter entrado em grupo 199 — estes blogs são a maior fonte de informações disseminadas pelo grupo por este plataforma — fora o oposicionista  El Universal venezolano a única fonte da imprensa comercial consultada dentro do escopo da amostra obtida.

A maioria das vezes, as interentidades do LSD pegam uma opinião ou intepretação, emitida pelo Central, e repercutem-na entre si, ad infinitum.

Existe um giro ou reciclagem nítido e proposital de conteúdo. Os blogs citam a comunidade de Facebook, que cita os blogs citando-o.

Num primeiro momento, configura-se assim uma «câmara de eco» clássica.

Dos 103 mil supostos curtidores do grupo de Facebook, pouca evidência.

Hordas-Fantasmas

Segundo números do próprio Facebook — acessado por SEO Site Tools — a página foi curtido por 86, compartilhado por 231, comentando 33 vezes, e repercutida no Twitter 148 vezes.

Wandora, entretanto, produz uma lista de usuários associados ao projeto — acima, visualmente, abaixo, numa visão estrutural do XML.

O resultado parece apoiar a afirmação de que os centenas de milhares de apoiadores listados na página são fantasmas, enquanto algumas decenas já expressaram uma opção ou preferência pelo projeto.

Vimos isso uma vez no caso de uma campanha publicitária no Twitter, quando o tuiteiro conseguiu 190 mil seguidores dentro de 24 horas.

Houve fraude ou jabá no caso, eu apostaria meu chapéu de estimação.

O grupo-usuário milita em um, dois ou todos os três grupos associados, incluindo o partido político UN NUEVO TEMPO — vários dos escritórios regionais do qual figuram na lista de usuários associados.

Se descreve como

Municipio Político que agrupa las Parroquias: Santa Teresa, San Juan, Paraíso y La Vega.

La Directiva está conformada por: Alejandro Sánchez, Presidente.Fátima Soares, Secretaria General.Vicepresidencia de Organización. Militón Gudiño, Vicepresidente de Asuntos Legislativos.Vicepresidencia de Participación Ciudadana y Redes Populares. Adelaida Medina, Vicepresidente de Asuntos Sectoriales.

Somos miembros de la Organización Política Venezolana UN NUEVO TIEMPO la cual nace en el Edo. Zulia como un Movimiento Político regional y el 3 de marzo de 2007 se convierte en una gran organización política nacional con la participación de miles de voluntades de todo el territorio de la República quienes deciden conformar una Comisión Organizadora Nacional.

O grupo coordenou uma mobilização para defender o dono de RCTV, Marcel Granier, no ano passado.

Os outros grupos associados são a Lidera Segunda Cohorte — dito um grupo estudantil, da responsibilidade de um tal de Sergio Arturo Contreras Bustamante, usuário 625682962 — e o Movimiento 8 UNY, também classificado um movimento estudantil e editada por um tal de Guido Pereira, usuário 778536017. .

Ambos existem apenas virtualmente, como páginas de Facebook e contas de Twitter, que eu consigo saber até agora.

Bustamante se identifica seu projeto assim.

Amigos en mi perfil encontraran todas las notas de prensa que emite el despacho del Alcalde Metropolitano Antonio Ledezma asi como comunicados, fotos oficiales e informacion importante, en mi perfil y en mis grupos.

Ou seja, é um canal informal multiplicando os pronunciamentos oficiais do prefeito de Caracas — taxa de homicídio 80 por 100,000.

Assim, um número de indícios concretos sugerem que a “campanha ideológica” promovendo “valores” não passa da fachada de um movimento partidário — bem no “estilo neocon.”

  1. O projeto ofusca sua orígen, local e autoria com meios técnicos
  2. O projeto insiste no anonimato e outrossim oferece transparência zero
  3. O tema do projeto é uma “generalização brilhante” — “humanos pelo amor!” — mas na verdade serve fins e interesses mais específicos
  4. O projeto mostra claros indícios de fazer uso de um LSD para criar uma «câmara de eco»
  5. O projeto oferece casuismos mambembes para desconversar quando indagado sobre seu apoio material e financeiro
  6. O projeto apresenta um projeto e perfil técnico bem típico de outros casos de campanhas «astroturf» que aproveitam técnicas de ponta do marketing online.
  7. O projeto apresenta fortes indícios de exagerar fraudulentamente sua própria popularidade-authoridade.

Também, a densidade da rede, muito alta, sugere planejamento em vez de um movimento emergente. A densidade social de redes de seres humanos surgindo espontâneamente podem ser uma pequena fracção dessa sem deixar de ser estatisticmente significativa.

Por mais que se assemelha a uma construção de Buckminister Fuller, maior será a probabilidade dela ser o produto de artimanhas humanas e não de um movimento «orgánico» de massas em rede.

Cada blog no BLOGSPOT, aliás, parece ser um mero clone da página principal:

Seria como se eu postasse o mesmíssimo conteúdo cada dia nos blogs BICHO, BICHOP, BICHOPR, BICHOPRE, BICHOPREG, BICHOPREGU, e a ssim por diante.

Outros grupos ideologicamente comprometidos na vizinhança:

  1. Liderazgo y Visión
  2. Desde Cuba
  3. IFEX

O LSD Global Voices Online cita vários dos blogs — clonados — da campanha 88 vezes. É citado com regularidade por todos os clones.

LYV é um grupo dedicado ao culto do guru de gestão Peter Drucker — falecido agora, mas por muitos anos residente no Claremont Graduate University, donde surgiu um dos mais influentes “institutos de pesquisa” neocon, o Instituto Claremont. Eu sei porque eu fiz alguns cursos no CGU, após me formar na Pomona, do mesmo consórcio de faculdades.

Até almocei com Drucker um vez! Tinha 90 e poucos anos e eu acho que sinceramente não entendia as bobagens propagadas por seus sequazes em seu nome.

Coordenação e Corretagem

Tem outras análises a serem aplicadas também, como, por exemplo, os papeis de “corretagem” desempenhandos pelo complexo observado e se por ocaso sirva de preencher um “buraco estruturual” que enfraquece a coesão da rede maior.

É assim que essa gente pensa.

O IFEX, por exemplo — organização guarda-chuva de decenas de ONGs — 88, para ser preciso, a ABRAJI entra eleas — pela liberdade de expressão — serve o círculo de clones do complexo Sin Mordazas no papel estrutural de coordenador.

Cada clone do sítio original serve de “corretor itinerante,” muitas vezes para outros “coretores”, criando um efeito recursivo.

Donde veio o dinheiro para desenvolver a IFEX? Não se sabe. Parece que ONGs canadenses não tem o dever de divulgar suas finanças.

O endereço da organização é um caixa postal em Toronto, mesmo endereço do grupo Canadian Journalists for Free Expression; Entre os maiores patrocinadores, entidades de classe de donos de mídia e bancos — e a maravilhosa autora Margaret Atwood.

«As velhas regras não se aplicam mais»

O maior patrocinador é o grupo de mídia CBC, canadense. Até 2007, era presidido pelo diretor-executive do Freedom House, estadunidense.

Em fim, então, suphonho que poderiamos dizer que o IFEX ocupe o papel estrutural de coordenador de um LSD de corretores.

Por sua vez, o IFEX serve como um recurso de referência ao NED e ao CIMA, o programa de “desenvolvimento de mídias livres e indpendente” pago pelo contribuinte estadounidense.

Projetos abertamente financiados pelo Congress são verdes.

Interessante é util seria começar a mapear os fundos e fontes dessas interntidades juridicamente independentes mas muitas vezes alimentando-se do mesmo granaduto.

Por exemplo, sabemos que o NED é financiado 100% pelo Congresso dos EUA.

Sabemos, da boca de Hillary mesma, que a parceria públic-privada é um pilar da sua política externa. A questão urgente sempre será, qual a proporção dos dois setorers, e quanta influência sobre política públic se compra?

Com trabalho, então, talvez podiamos determinar quais as proporções de recursos dos tres setores em determinado projeto, e assim começar a entender a dinámica desse fluxo de ideas e +dólares.

Ainda não se exatamente entender o papel de um «clearinghouse» em termos da ARS magna. Nos termos do mercado de capital, é o lugar onde comprador e vendedor fecham o acordo, com a intermediação de um agente com CETIP or Clearstream.

O IREX, por exemplo, com apontei uma vez, é um repósitorio de políticas públicas sobre desenvolvimento em vários setores. Serve de um espaço «offshore» pela negociação de políticas nacionais, e pela coordenação de lobbies simultâneos em várias jurisdições.. Ou algo parecido. Analogia sob construção, evite os pontos de alagamento.

Freedom House, entretanto, não emitiu um relatório anual desde 2007,. quando seus maiores doadores eram

  1. Australian Agency for International  Development
  2. Peter Ackerman (A. Einstein Institute)
  3. Government of the Netherlands,  Human Rights and  Peacebuilding Department
  4. The National Endowment for  Democracy
  5. The Smith Richardson Foundation
  6. U.S. Agency for International  Development
  7. U.S. Department of State

Quer dizer que era uma organização patrocinada em grande parte por agentes de um punhado de governos — especialmente nosso.

Temos que fazer a aritmética para saber com mais precisão donde veio o dinheiro e quais as condições contratuais que viram juntas..

O iPod continua sendo a Pravda da revolução em rede.

Mas vamos nessa outra hora.

Por enquanto: A Sin Mordazas é muito provavelmente uma campanha publicitária pesquisada, planejada, coordenada e montada por profissionais de marketing político nos EUA.

Dentro de uma amostra de 1.000 sítios com laços apontando o MOVEMENTS.ORG, o maior número vêm do TECHPRESIDENT.COM — sítio de promoção de TI da Casa Branca. Não é para se estranhar. A agência digital atrás do AYM fazem o marketing político de Obama — e, segundo o sítio dela, a Dilma também.

Dia 30 de dezembro do ano passado, o Blue State foi comprado pelo Grupo WPP, do qual temos escritos bastante nesse espaço.

Em fim, nosso movimento espontâneo  juvenil tenta esconder este fato, ofuscando a autoria da campanha por meios meio toscos.

Em bom e rudo português: o suposto amadorismo-voluntarismo da campanha parece uma baita de uma mentira.