A Decadência da NYSE:NEWS | «Não Faz Mal, Limpa com o Journal»

Padrão

Acaba de chegar do Columbia Journalism Review:

Andy Coulson, porta-voz do primeiro-ministro britânico David Cameron, hoje pediu demissão por causa de um escândalo sem fim envolvendo grrampos ilegais. Coulson era editor-chefe do tabloid News of the World quando repórteres do jornal supostamente interceptou ligações de celebridades. Diz que não sabia do hack, mas que está pedindo demissão porque a investigação — ativa desde 2006— é uma distração dos “110%” de esforço que precisa para cumprir seus deveres oficiais.

Segundo o Guardian, o araponga contratado para bisbilhotar vidas alheias jura agora que foi contratado por um redator graúdo do grupo em termos bem explícitos.

O fato mais escandaloso do escândalo pode ser a maneira na qual Rupert Murdoch, dono do tabloíde, o Wall Street Journal, e a metade de canais que passam na TV a cabo no Brasil, transformou o WSJ, uma redação conhecida pelos prêmios Pulitzer que ganhavam, em um corja de suspeitos de atos criminosos.

A importância desse desfecho é explicado muito bem por Ryan Chittum. com novas divulgações e indícios de um tentativa de abafar o caso, na sua coluna The Audit (A auditoria), onde comenta que outro antigo executivo do News provalmente morrendo de medo agora seria Les Hinton,chefe da matriz do Wall Street Journal, o  Dow Jones.

O Ryan escreveu que

o escândalo tem entrado em nova fase, é um grande número do pessoas, incluindo David Cameron e Rupert Murdoch, deveriam estar preocupados. A afirmação do araponga,  Glenn Mulcaire, de que um redator graúdo do  News of the World, Ian Edmonson, o contratou para querbar o sigilo de telefones, faz de um incidente infeliz um escândlo poítico nacional.

O problema fica mais agudo dentro da divisão de imprensa no NEWS, que não somente tem que explicar que contratou a quebra de sigilo mas também porque insistia por quatro anos que a gestão do jornal nem ssbia. .

Pense também no que Dean Starkman, agora do CJR, escreveu quando o Guardian conseguiu o furo de reportagem de que o NEWS tentou chegar a um acordão em 2009.. Starkman disse:

«Não posso evitar pensando no velho  Dow Jones, onde eu trabalhava. De tão preocupada que era com a integridadee do jornal, nem pegou dinheiro emprestando para não aparecer no poder dos bancos,como o antigo diretor James Ottaway lembrou numa entrevista de 2007 com The Audit.

Agora estamos no meio de um escândalo de arapongagem e falsidade ideológica envolvendo pessoas de peso em um dos grupos de mídia mais importantes do mundo, matriz do mais conceittuado cão de guarda do setor financeiro no mundo. .

Dizem que vendas de assinaturas ao Financial Times estão decolando.

//i113.photobucket.com/albums/n216/cbrayton/supremeterror.jpg?t=1187529387” cannot be displayed, because it contains errors.

Desde as imagens do assessor principal do PT para relações estrangeiras pelas janelas do Palácio — Top! Top! Top! — até a captação da tela de ministros do STF e as fotos de Edmilson Bruno Surfistinha, os casos mais expressivos de invasão de sigilo do que eu consigo pensar ou foram cometidos pela imprensa brasileira ou foram vazados sem pensar duas vezes pela mesma.

Anúncios