Quando Uma Rede Não É

Padrão

Deu nos grandes sertões da Austrália, numa reportagem que não está mais disponível no sítio do jornalão de Ruperto Murdoch, o Australian.

Traduzo.

As premiaçõe mais importantes da indústria de propaganda nacional foi estragada depois que foi revelado que o prêmio pra melhor rede foi apresentado ao recipiente errado. .

Num gafe constrangedor, na sexta-feira passada durante o sarau das Australian Writers and Art Directors Awards (AWARD) Publicis foi premido na vez da concorrente  Clemenger BBDO.

Foio expecialmente constrangedor para o chefe criativo de Publicis Mojo, Craig Davis, que foi quem apanhou o prễmio no palco.

Craigs mandou apurar após ser questionado se  Publicis realmente era uma rede é não simplesmente uma empresa de participaçãoes, um “holding.”.

Chamado de uma “anomalia de contabilidades,” pontos ganhos pelas agências  Saatchi & Saatchi e  Leo Burnett, ambos da Publicis, foram juntandos com os votos em favor da Publicis Mojo .

Daniel Leesong, diretor executivo do The Communications Council, organizador do evento, chamou para uma auditoria de todos os prêmios.

«Houve um mal entendimento geral sobre a definição de uma rede,», The Communications Council disse por sua assessoria. “O resultado foi um viés nos resultados que favoeceu a Publicis.”

Clemenger BBDO foi informada ontem do erro e que ela seria premiada como Rede do Ano.

Eu mesmo ainda tenho dificuldades com a definição. Esquemas de «affiliate marketing», por exemplo, dependem de uma coordenação informal, embora não houver carteira assinada nem divulgação de patrocínio na maioria dos casos.

E os exemplos multiplicam-se. Os mais interessantes envolvem agências formalmente independentes que embora o fato trabalham para clientes em comum. Este “colaboração de componentes (juridicamente) distintos” sempre me parece o princípio central da CNO, a “organização colaborativa enredada.”

Anúncios