Militar Legal | O Blitz de Propaganda da Policia Brasileira

Padrão

Não podia ser mais gritamte o fato de que essa onda de “PMs com blogs” que assistimos atordoados agora, e da qual tdos os jornais estão falando, ser uma campanha coordenada e altamente profissional de “mídia social” visando moralizar uma policia frequentemente colocada entre os mais brutais do hemisferio.

É um hemisfério que inclue a Colômbia, lembre-se.

Venho com mais fatos depois, mas dá para vislumbrar o artifício atrás desse fenómeno supostamente “espontâneo” olhando para apenas dois casos: O blog de Stive e o canal PM Tube no YouTube, acima.

É um MOSCOU clássico, com espaço aberto por todos os jornalões. Vamos ver uma enxurrada de matérias agora buscando “humanizar” o policial. Haverá uma onda de matérias vindo de fonte anônimos que são PM-blogueiros. Bem, o fim de dar uma força aos “bando íntegro” da política não é uma coisa necessariamente ruim, seja dito. Esṕecialmente no meio do program PRONASCI e um esforço de atraer jovens de boa qualidade à profissão.

Mas que é propaganda no sentido negativo da palavra, é.

A página “quem sou eu” do autor até promove a compra e o uso de um iPhone.

O sítio STIVE — da responsabilidade da Associação dos Subtenentes e Sargentos de Goiás, segundo uma busca WHOIS — mora em um endereço ofuscado que na verdade está escondido na cidade de Houston, no latifúindio de servidoresd do THEPLANET.COM.

Segundo a Wikipédia, num artigo postado em 2008,

Stive é uma gíria de grupo, comum entre policiais do Brasil, principalmente nos estados de São PauloMinas GeraisGoiás para designar outro policial. A origem deste termo vem de filmes policiais americanos, interpretados principalmente por Steven Seagal que rapidamente se tornou uma das estrelas mais bem pagas de Hollywood em filmes tipificados onde regularmente surgia na figura de vingador ou polícia.

Steven Seagal: O pior ator de todos os tempos, mas são os filmes deles os mais conhecidos aqui. 

Na maiora dos casos, atrás do indivíduo simpático — Sargento Amigável, diriamos, lembrando daquelas campanha da mocidade nos ensinando a não ter medo de policiais — há uma entidade de classe de policiais.

A turba de Harvard tem alguma ligação com a campanha, que leva as marcas tão familiares das blogsferas montadas por eles.

O artigo de Wikipédia utiliza a mesma imagem que o sítio de nosso Robson Niedson, dito pelo LinkedIn um estudante na Universidade Católica de Goiás. O e-mail dado, robson@niedson.com, é fictício. Com essa mocidade, fica duvidoso ele ser sargento ou subtenente da Força em cuja nome fala. É uma mera cabeça-falante.

Me perdoem, mas basta uma exploração de meia hora para fazer um censo dos principais campanhas desste ‘movimento” e perceber uma enxurrada de  propaganda que é todo igual, salvo as diferenças minutas que pretendem dar a impressão de que partem de fontes distintas.

Nosso amável PM e fazendeiro de blogs de policiais não passa de um personagem — o que a gente chama de poster child — entre tantos outros.

(O “menino do cartaz” é uma vítima do desfortúnio alvejado cujo charme serve de estimular doações.)

Temos o PM-blogueiro original, o Coronel Paulo, é claro. Temos o Coronel Antônio — cujo sítio fica hospedado nos EUA apesar do domínio .br, segundo Robtex.com. Temos o deputado Coronel Queiroz — interexistente no estado de Texas também. Temos Capitão Assis, Sargento Roque — este protegido pelo mais sofisticado anonimato técnico disponível — a Conjuntura Criminal, a Arma Branca, a À Queima-Roupa e as grades estrelas do gênero, como Caso da Polícia, Blitz Policial, Policiamento Montado, Militar Legal, Honestidade Doi, Capitão Luiz Alexandre, Diário de um PM e, o melhor conhecido e mais citado de todos, a Abordagem Policial.

Acontece, aliás, que o PM Tube e o Abordagem são hospedados no mesmo servidor. São domínios virtuais de um hóspede chamado de WEBMASTERWORLDS.COM …

Tem pessoas ocupadas Penando Segurança, têm Foros de Segurança, tem todos as grandes ONGs promovendo a campanha. Nihil obstat. Tem as grandes ONGs do Rio participando da campanha, parece.

Tem PolicialBR como uma comunidade de Ning. É toda uma blogosfera fabricada, otimizada pros motores de pesquisa. e — até se tiver um certo apelo emocional e servir de um espelho que ajuda na humanizaçãoda da policia desse País — fica cada vez mais o objeto de interesse por grande parte da imprensa.

É um Kassabinho inflável. Segue na tradição de panfletos de treinamento militar e indoutrinação maoista.

É um caso quase puro do Método Faith Popcorn. Primeiro, a orquestração do “movimento espontâneo,” supostamente surgindo de focos independentes e distintos um do outro, e depois, a abordagem jornalística do fato como se fosse, não um factóide mais uma verdadeira tendência.

Contempla as possibilidades da sinergia mostrada logo abaixo:

Outro ponto que deve alertar o brasileiro patriótico: que será que o Exército dos EUA e o Global Voices Online — veículo de propaganda semi-clandestina, ou, se prefira, de jornalismo de advogacia sem a coragem da sua causa — fazendo nessa rede?

O ponto de presença militar central é o USACAC, o centro de armas conjuntas, o que parece incluir informações de contrainformação.

Em fim,e para encurtar o relato, eu acredito em uma nova polícia brasileira, substituindo a velha polícia que mata-morre, quando o número de mortos policiais começa a cair em proporção com a taxa geral de homicídio.

Propaganda é muito esperta e bonita, mas cadáveres são cadáveres, e, fedendo, são dificilmente varridos embaixo do tapetão.

Me desculpe, mas estamos falando da mesma polícia assassiando pessoas sob encomenda até hoje. A mesma polícia que, durante a sangrenta guerra PM-PCC, assegurou que rádiocomunicações não seriam gravadas.

Uma das impressões mais fortes que tenho dessa nossa Samboja é essa: a crença de que, com marketing sofisticado o suficiente, qualquer problema se resolva.

Não é bem assim. Até ver a banda podre na cadeias, estou achando tudo aquilo um desperdício de recursos que podiam ser aplicados à melhora de treinamento.

E de propósito, é isso que as FFAA dos EUA estão fazendo nesse mix? Treinamento de policiais militares?