Exeunt omnes absque Palocce

Padrão

Ouvi a noticia um minuto atrás, embora a dica veio por rádio graças a minha mulher, aquela pombinha:

O ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci, confirmou nesta terça-feira que deixará seu cargo no governo. A decisão, anunciada por meio de nota, foi tomada após denúncias de irregularidade na evolução do seu patrimônio.

O substituto de Palocci está sendo decidido nesta tarde durante reunião realizada entre a presidente Dilma Rousseff, Palocci e outros assessores do Palácio do Planalto.

A gota d´água envolvendo o escândalo foi a decisão do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, de arquivar o pedido de investigação sobre seu enriquecimento ilícito.

Se se confirmar, será o fim da nossa novela Palocciana é tempo para algumas reflexões sobre a construção do enredo. Mas vamos confirmar primeiro.

Não foi um desfecho previsível por quem acompanha o noticiário.

Soa muito esquisito ser que a gota d’agua na queda do réu foi o fato dele mesmo ser inocentado, ou pelo menos não suspeito.

E repito o que eu disse a patroa ontem: um socialista vira empreendedor e vira motivo de choque, pânico e indignação. Só no Brasil.

Temos confirmação da Globo e seus blogueiro-atrizes:

Ministro Antonio Palocci pede afastamento do cargo, diz nota

O ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci, deixou o cargo nesta terça- feira (6), quase um mês após a publicação de uma reportagem pelo jornal “Folha de S.Paulo” segundo a qual ele teve opatrimônio aumentado em 20 vezes entre 2006 e 2010.

Segundo o blog de Cristina Lôbo, a cotada para assumir o cargo no lugar de Palocci é a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR).

Cristina não cita a carta de renúncio, nem ninguém a cita ou a aponta. Cadê? A Agência Brasil confirma sua existência.

A saída de Palocci foi comunicada por meio de uma nota divulgada pela Casa Civil. O ministro, que ficou pouco mais de seis meses no cargo, é o primeiro a deixar o ministério no governo da presidente Dilma Rousseff.

Nesta segunda (7), o procurador-geral da República determinou o arquivamento dos pedidos de partidos de oposição para que investigasse Palocci área criminal. Como ministro de Estado, Palocci tem foro privilegiado e somente o PGR pode investigá-lo na esfera penal.

Apesar de tudo isso, so acredito quando aparecer no sítio da Casa Civil. Quero a leite da vaca mesma.

Nosso Paloccomêtro funcionava razoavelmente bem, apesar de se manter atualizado sobre todo o que foi dito e feito foi demais para um blogueiro só. O que falta é um cronograma cuidadoso da cobertura da FSP, encarregado com a chicote nesse caso.

No fim, me parece que muito pouco de constrangedor e nada de ilícito foi descoberto, e que o episódio foi um exercício puro em pânico moral e o “folclore de corrupção” — a não falar na promessa de infernalizar e minar a gobernabilidade se o corpulento barbudo ficar.

Sinal de um país de homens em vez de leis. Mas alguém me explique: cui bono?