Kindle Brasil | Custos Competitivos Contidos

Padrão

Segundo Publishing Perspectives, notícias para editoras brasileiras …

A Amazon pretende vender seu Kindle, leitor de textos, no Brasil por R$199 — US$115 — quando começa operações no pais ainda nesse ano. Está pensando também se deveria abaixar o preço até R$149 para ganhar espaço no mercado, segundo pessoas familiarizada com as discussões dentro da empresa. Alcançado este preço, porém, será um desafio num pais com altos impostos e gastos com operações,

Aos R$199 — não importa qual aparelho — Amazon teria o dispositivo mais barato do mercado brasileiro, que vale a metade de alguns dos dispositivos da Sony e bem pra baixo do Positivo Alfa, produzido domesticamente.  Também se produz a um custo embaixo dos custos de importar um Kindle do Amazon nos EUA, que said por uns US$255 para o modelo básico, somado com os impostos de importação..

É, mas aplicando o cálculo meio desajeitado, qual é a porcentagem do salário mínimo mensal da bugiganga?

Se pegamos o salário mínimo de S. Paulo em 2011 — R$ 610 — e de Nova York — $7.25 por hora, e portanto US$ 1,28 mil por mes …

Nosso salário mínimo sai, em termos reais, de  3.4 vezes o seu. Assim, o preço  «mínimo comparativo» — a montante da compra dividido peloo salário mensal — é de 10.5% no caso de Nova York e 19% em Guarujá.

Vida Nova de Livros Mortos

Amazon está negociando com editoras locais para vender livros eletrônicos e espera-se a finalizaçã dos contratos entre março e abril.

Segundo uma pesquisa pela brasileira Simplissimo em janeiro,uns 11 mil títulos são disponíveis em português no Brasil. Amazon oferece 3,8 mil e-livros em português no site nos EUA — um pouco mais da metade da maioria livraria digital do Brasil, Gato Sabido, com 7,3 títulos ,e Saraiva, com 6 mil.

Espera-se que as editoras vão ser incentivadas a relançar obras antigas no formato digital …

Nota-se também a introdução da Kindle na Itália, com entre 25 mil e 36 mil títulos em oferta.

Eu nos meados dos anos 90 tinha um Blackberry que servia de leitor de textos baixados ou sincronizados com meu PC. Eu vivia forçando a barra daquela máquina infernal, que só me deixava em pais no metrô subterrâneo.  Ainda tenho aqui no meu museu pessoal de tecnologias mortas. Inclusive minha torradeira Mac, contendo uma tése sobre As Mil e Uma Noites