Sobre Infotenimento e a Sereia

Padrão

Uma nota sobre

Um novo caso de «boimate»? Novo exemplo da peça Guerra dos Mundos, durante o qual telespectadores acreditavam com verídico uma emissão fictícia?

Cada vez mais, os canais de documentários nos grandes canais de TV a cabo levam a sério crenças populares como criacionismo e pessoas secuestrados por OVNIs — lembrando a exposição midiática do Chico Xavier na Cruzeiro e na Globo naqueles dias (acabo de ver o filme biográfico de Globo Filmes). Dentros dos moldes de um suposto tratamento isento, acaba valorizando ambos os lados igualmente. O roteiro fica reforçado com imagens fantásticas das entidades legendárias.

Acima, um projeto de «jornalismo cidadão» convidando o telespectador a relatar sua história de econtros com OVNIs. Também cabe nessa categoria a repercussão dado ao incidente pela Huffington Post. Um trecho:

A notícia do  National Oceanic and Atmospheric Administration que sereias são, de fato, um mito, resultou numa explosão de cobertura na midia que ia de zombaria ao governo até a tristeza de menininhas que querem acreditar. en sereias, o coelhinos de Pasua e Papai Noel. Como eu estou escrevendo um livro sobre sereais, a notícia atraiu meu interesse, e pensei em compartilhar parte das minhas pesquisas.

Vale a pena ler a nota de Wikipedia sobre essa tendência, e talvez até traduzí-la.

Apresento um trecho, traduzido com certa pressa. 

A etiqueta «infotenimento» representa a preocupação e crítica de que o jornalismo esteja mudando de um meio de informações sérias sobre assuntos de interesse público a uma forma de entretenimento feito com «fatos». As criterias pelos quas jornalistas e redatores julgam o valor noticioso — se algo vale a pena divulgar na capa ou não — são partes integrais desse debate.

Alguns responsibilizam a mídia para esta mudança aparente, dizendo que falta os ideias da reponsibilidade cívica do jornalismo, enquanto outros reclamam do perfil comercial de muitas organizações midiáticas, a necessidade de IBOPE maior, e a preferênica do público para conteudo otimista e divertida e para assuntos pifios como fofoca de celebridades e esporte.

Numa critica do infotenimento, Bonnie Anderson da News Flash citou a matéria líder na CNN no dia 2 de fevereiro de 2004 trazendo a notícia sobre a exposição do seio da cantora Janet Jackson em rede nacional. A matéria em segundo lugar tratava de um ataque químico com ricin alvejando o líder do governo no Senado.

Um processo de especialização está em andamento, começando com a emergência de revistas especializadas de circulação nacional, continuando com a subida das TV a cabo e florescendo com as novas mídias. Cada vez mais veículos de mídias enfocam um assunto singelo como notícias, a reforma de lares, história, cinema, mulheres, e religião. Os consumidores tem uma extensão generosa de escolhas entre as informações mais «importantes» e uma seleção altamente seletiva de um tipo de conteúdo. Estes últimos, altamente customizados, pode não ser dignos de cobertura jornalística ou produzidos com isenção. Alguns veículos e canais alcançaram um grande público no mercado «nicho» de notíciarios «puros»

A matéria identifica o Joel Bauer como o pai da expressão «infotainer» — profissional de infotenimento.