Pânico no Brasil do Norte: ACORN e o Dolchstoßlegende

Padrão

Fonte da imagem: Wikipédia (EN)

Durante a campanha que levou Obama à “presidência do mundo livre,” o candidato John McCain espalhou, em rede nacional, uma teoria conspiratória sobre ACORN, organização política e social que representa o que seria a classe D urbana no país.

Lembre-se de que nos Estados Unidos, o voto é facultativo e não obrigatório.

Portanto, grupos como ACORN e muitos outros fazem campanhas para cadastrar eleitores entre grupos que não costumam ter alta participação no processo eleitoral.

ACORN é o grupo que mais cadastra eleitores no País.

McCain disse que ACORN

… is now on the verge of maybe perpetrating one of the greatest frauds in voter history in this country, maybe destroying the fabric of democracy.

… está pronta agora para possivelmente cometer um dos maiores fraudes eletorais na história desse país, possivelmente derrubando a estrutura da democracia.

O FactCheck.org deu uma desmentida contundente.

À mesma vez, McCain levantou a velha bolha da suposta traição de militantes anti-guerra, que teriam minados as forças armadas em Vietnã, impossibilitando a vitória.

Obama teria relações estreitas de amizade com um integrante do Weather Underground, Bill Ayers. O grupo praticou atos de terrorismo em protesto contra a guerra, e uma fábrica de bombas na casa vizinha a residência do ator Dustin Hoffman em Manhattan explodiu em  — googleando o ano — matando o fabricante.

Segundo Wikipédia (com notas de rodapé para comprovar a afirmação),

Investigations by The New York Times, CNN, and other news organizations concluded that Obama does not have a close relationship with Ayers

Investigações pelo New York Times, CNN, e outros vehículos concluiram que Obama não tem relaçãoes íntimas com Ayers.

(McCain foi prisioneiro de guerra durante 8 anos, e a campanha Bush ia espalhar durante as prévias de 2000 que enloqueceu por causa das torturas sofridas. Rima bonita em inglês: McCain is insane!)

O mesmo argumento foi utilizado, com sucesso, contra o senador Kerry nas eleições de 2004: Kerry, um condecorado veterano da guerra, foi tachado de traidor por ter militado no movimento anti-guerra após voltar para casa, e sua fama de herói de guerra foi desconstruida pela organização SWIFT Boat Veterans For Truth, com ligações sub-reptícias ao partido opositor. Veja

Isso não passa do Dolchstoßlegende, a lenda da “adaga nas costas,” aproveitada pelos nazistas para explicar a derrota de Alemanha na Primeira Guerra Mundial e fazer dos judeus o bode expiatório pela suposta traição (acima).

ACORN foi inocentado. Não passava de alguns diaristas falsificando cadastros para receber mais dinheiro, uma vez que recebiam por cada eleitor cadastrado. ACORN mesmo identificou os cadastros espúrios e alertou as autoridades.

O grupo respondeu divulgando fotos de McCain e outros marcando presença em congressos do grupo e prometendo apoio.

Acima, por exemplo, um governador estadual do partido Republicano assinando legislação regulando “empréstimos predatórios.” Contrariando a fama de ser da esquerda, o grupo tem história de apoiar Republicanos quando esses propõem políticas públicas que agradam-no.

Agora, o desfecho de mais uma tentativa de demonizar a organização.

Putas, Cafetões e Câmara Clandestina

Um casal entra no escritório de Acorn em Brooklyn — onde eu e a Mina de Letras moramos quando não estamos em Samboja-Belíndia —  disfarçado de cafetão e prostituta. Tentam elicitar dos voluntários lá presentes conselhos sobre como lavar dinheiro. A conversa é gravada. Outras armações desse tipo são feitas e gravadas.

Os vídeos formam o fundamento de uma baita de uma campanha nacional para espalhar que ACORN “apoie uma esquema de exploração sexual de minores de idade.”

Continue lendo

Anúncios

A Aritmética do Crime: Norte e Sul

Padrão

Homicídios 1999-2007

Há tres tipos de mentira: Mentiras, mentiras malditas, e estatísticas — Mark Twain

Fiquei de olho nas mais recentes estatísticas da criminalidade, divulgadas a semana passada pelo governo do estado de S. Paulo. Sei que o estado tem sofrido denúncias no passado segundo as quais os números vêm “cozidos” ou “maquiados.”

Justa ou injusta, a denúncia?

O Núcleo de Estudos de Violência, da USP, chegou a essa conclusão em 2005, quanto à questão de casos de assassinato que são registrados pela polícia paulista como “morte a esclarecer” ou “encontro de cadáver” — assim ajudando a continuar a tendência de queda na taxa de homicídios da qual o governo estadual se orgulha.

O crime cai porque a policia não investiga ou não se esforça para esclarecer os crimes.

Essa prática é seguida propositalmente? Ou não? Ou trata-se de uma mistura de descaso com manipulações propositais da opinião pública?

“[O boletim] engana a estatística, mas conta a verdade para a equipe que vai investigar o caso”, afirma o presidente do IBCCrim. Ele também acredita que a negligência e até a incompetência de alguns policiais podem explicar esses erros. “Mas só um levantamento estatístico completo, com tendências anteriores, poderá esclarecer isso”, afirma.

Para Wânia Pasinato Izumino, pesquisadora do Núcleo de Estudos da Violência da USP (Universidade de São Paulo) e doutora em sociologia, o erro nos boletins é indiscutível e é mais um fator que coloca em xeque a credibilidade das estatísticas criminais em São Paulo. “A polícia não tem padronização para nada.”

Esse ano, a taxa de homicidios mostrou um leve aumento pela primeira vez em uma década — o que levou a Folha de S. Paulo a gritar que o governo não tinha conseguido a meta de tirar esse número da faixa denominada de “epidemia” pela OMS.

Governo falha na tentativa de por fim à epidemia de homicídios! Para ser justo, parece um exagero. Se for medido do mesmo jeito — até se este for enviesado — todos os anos, a tendência geral ainda é de queda.

Manchete para um ano política, apesar do fato da taxa realmente e sem dúvida ter diminuida nesses últimos dez anos. Eu naõ tenho simpatias políticas que me impediriam de reconhecer uma melhoria geral.

Eu achei notável, no entanto, uma pesquisa que vi outro dia sobre a percepção que moradores de S. Paulo tem da cidade, e o grau de satisfação que têm com a qualidade de vida aqui.

O mais notável, para mim, foi a desproporção do sentimento de insegurança, embora os números sobre o crime na cidade dariam muito para comemorar. Segurança continua a maior preocupação de moradores — assim como fica a nossa (eu e a bicha-preguiça, aqui em casa.)

Assim como as mortes por policiais em casos de “resistẽncia seguida por morte” não vêm acompanhando a queda de violência, o sentimento de segurança não aumentou na mesma proporção.

Na luz desses debates sambojanos, eu achei interessante a matéria no New York Times hoje sobre exatamente o mesmo assunto: A confiabilidade de estatísticas oficiais, e um novo estudo que chama em questão essa confiabilidade.

Além do mais, é um ótimo exemplo de jornalismo criterioso, meticuloso, e isento na medida possível. Muito boa a reportagem.

Pois eu resolvi tentar portuguêsá-lo, sem o apoio de dicionários ou tradução algorítmica. Mais um ano e eu posso dizer que sou um tradutor qualificado para traduzir de inglês pro tupiniquinês.

Assina o repórter William K. Rashbawn.

Mais que cem capitães e oficiais de mais alto patente, aposentados do Departamento de Policia de Nova York (NYPD), disseram numa pesquisa que as pressões para produzir uma redução nas taxas de crime cada ano levou alguns superintendentes e chefes de delegacia a manipularem estatísticas de crime, segundo dois criminologistas que estão para lançar um estudo do departamento.

Continue lendo